Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Dezembro 13, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Número de desempregados inscritos no IEFP cai em abril para mínimo de quase 16 anos

Número de desempregados inscritos no IEFP cai em abril para mínimo de quase 16 anos
José Lagiosa

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego baixou 16,6% em abril, face a igual mês de 2017, para 376.014 pessoas, caindo 4,4% face ao mês anterior, segundo dados divulgados esta segunda-feira pelo IEFP.

De acordo com os dados disponíveis na página do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), para a diminuição do desemprego registado, face ao mês homólogo de 2017, contribuíram todos os grupos de desempregados, com destaque para os homens (menos 19,4%) e os adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos (menos 15,8%).

De acordo com a série longa do instituto, é preciso recuar quase 16 anos para encontrar um número mais baixo do que o apurado para o mês de abril.

Na comparação com o mesmo mês de 2017, há menos 75 mil desempregados inscritos nos centros de emprego e na comparação com o mês anterior a redução é de 17,3 mil desempregados.

O IEFP destaca também as quedas observados nos inscritos há um ano ou mais (18,3%), os que procuravam novo emprego (16,4%) e os que possuem como habilitação escolar o ensino secundário (14,9%) e ainda os que possuem o 1.º ciclo do ensino básico (18,7%).

Ainda segundo o IEFP, o desemprego afetava em março 39.086 jovens, o que representa uma redução homóloga de 22,9% e de 7,5% em termos mensais, e representava 10,5% do desemprego registado.

Já o número de desempregados de longa duração apurado no final de abril baixou para as 183 mil pessoas, com uma diminuição de 3% face ao mês de março e de 18,3% na comparação homóloga. O desemprego de longa duração representa 48,6% do desemprego registado.

A nível regional, comparando com o mês de abril de 2017, o desemprego registado diminuiu em todas as regiões do país, destacando-se o Algarve com a descida percentual mais acentuada (19,9%), seguindo-se as regiões de Lisboa e Vale do Tejo e do Alentejo (19,0%).

*Lusa / Foto: JOÃO RELVAS

Comentar