Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

BeiraNews | Agosto 19, 2018

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

VII Campo Arqueológico Internacional de Proença-a-Nova com inscrições abertas

VII Campo Arqueológico Internacional de Proença-a-Nova com inscrições abertas
José Lagiosa

As inscrições para o VII Campo Arqueológico Internacional de Proença-a-Nova – CAIPN 2018, que se realizará entre 16 de julho e 2 de setembro, encontram-se já abertas.

Estão disponíveis para estudantes e licenciados em Arqueologia ou detentores de outro grau académico que se interligue com Arqueologia (ex. História, Antropologia, Arqueociências entre outros), embora seja aceite a participação de outros interessados (público adulto entre os 18 e 65 anos).

O município tem também quatro vagas para estudantes maiores de 16 anos interessados em participar no CAIPN 2018, uma oportunidade de ter contacto com a realidade do trabalho de campo, participando, com alunos universitários, professores e especialistas, nas escavações, colóquios e visitas, enriquecendo os seus conhecimentos e/ou preparando o seu futuro caso tenham interesse em seguir a área em questão.

As atividades incluem escavação arqueológica, prospeção de campo, viagens de estudo na região e palestras, à semelhança das edições anteriores.

No ano passado participaram alunos provenientes de 18 países da Europa, Ásia e América, alargando a internacionalização deste campo, e a expetativa para esta edição é a de continuar a projetar a investigação além-fronteiras.

Promovido pelo Município de Proença-a-Nova em parceria com a Associação de Estudo do Alto Tejo, as investigações do CAIPN 2018 dividem-se em três campos: Bateria das Baterias I (entre 16 de julho e 5 de agosto), Mamoa do Cabeço da Anta (entre 30 de julho e 19 de agosto) e Povoado Muralhado do Cerro do Castelo de Chão de Trigo (entre 13 de agosto e 2 de setembro), este último local que foi explorado pela primeira vez no ano passado e que está integrado no projeto de investigação Mesopotamos – Povoamento do 5º ao 1º milénio a.C entre o Tejo e o Zêzere na atual Beira Baixa.

Relativamente aos avanços no estudo da ocupação do território, prosseguem os estudos sobre a sepultura megalítica do Cabeço da Anta, explorada desde há cinco anos no contexto deste projeto.

Mais informações em: http://archaeologicalfieldcamps-portugal.pt/index.html ou no Município de Proença-a-Nova.

 

 

Comentar