Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

BeiraNews | Novembro 20, 2018

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Livro de Gonçalo Salvado interpretado a duas vozes por Pedro Mexia e Maria João Fernandes

Livro de Gonçalo Salvado interpretado a duas vozes por Pedro Mexia e Maria João Fernandes
José Lagiosa

“Denudata”, com a chancela da RVJ Editores, foi apoiado pela autarquia albicastrense

A Casa Amarela, antigo espaço dos CTT, acolheu, no passado dia 1 de julho, o lançamento do novo livro de poesia de Gonçalo Salvado Denudata, que inclui desenhos inéditos do escultor Francisco Simões e fotografias de Manuel Magalhães, com prefácio do poeta brasileiro Carlos Nejar (candidato ao Prémio Nobel) e um texto de abertura de Maria João Fernandes.

O livro, com a chancela da RVJ Editores, foi apoiado pela autarquia albicastrense.

A apresentação ficou a cargo de Pedro Mexia e de Maria João Fernandes.

O evento assinalou o encerramento da exposição Amor, Única Chama, de esculturas, cerâmicas e desenhos de Francisco Simões, comissariada por Maria João Fernandes, que esteve patente naquele espaço e foi inaugurada pelo Ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes.

Carlos Semedo, assessor para a Cultura do presidente da Câmara de Castelo Branco, Luis Correia, abriu a sessão apresentando os participantes e o assunto em causa.

João Carrega responsável pela editora RVJ, cujas palavras se lhe seguiram, além de enaltecer a qualidade da obra, referiu-se ainda a outros livros do mesmo poeta já publicados pela sua editora.

Usou da palavra, em seguida, o escritor e crítico literário Pedro Mexia que começou por referir o facto de há vinte anos ter elaborado uma reflexão crítica sobre o primeiro livro de Gonçalo Salvado (Quando, 1996) acentuando que as linhas de força que aí havia detetado se mantinham até à atualidade enriquecidas e evidenciando um trabalho de contínua depuração que elogiou.

Citando um ensaio de José Tolentino Mendonça alusivo ao Cântico dos Cânticos, salientou depois a filiação de Gonçalo Salvado na substância emotiva e ideal daquele amoroso texto bíblico sempre presente na sua poesia.

Enquadrando-a numa ininterrupta tradição da poesia lírica e erótica portuguesa e confrontando-a com a poesia de David Mourão-Ferreira de quem leu alguns poemas, um dos mais emblemáticos poetas do amor da nossa contemporaneidade.

Pedro Mexia, numa análise arguta e pertinente, foi definindo, aclarando e estabelecendo paralelismos entre a poesia amorosa de David Mourão-Ferreira e a mensagem lírica e erótica presente na obra poética de Gonçalo Salvado, para concluir que embora aproximando-se na sua temática essencial: o erotismo, a poesia deste último ultrapassa uma dimensão puramente erótica na riqueza do seu jogo de metáforas.

Pedro Mexia, Gonçalo Salvado e Maria João Fernandes

Aproximou ainda a expressão “corpo glorioso” que termina o ensaio de Tolentino Mendonça, do fulgor de uma transcendência na obra do autor de Denudata que em si define o próprio fenómeno poético.

Por sua vez Maria João Fernandes filiou a poesia de Gonçalo Salvado, poeta-artista, não apenas na grande tradição da poesia lírica do nosso país, mas também no grande filão da cultura portuguesa que no século XX promove o diálogo entre palavra e imagem, de que é expoente o poeta e pintor Julio/Saúl Dias, um dos seus Mestres.

A poesia de ambos tendendo para a depuração formal e refletindo a presença do arquétipo feminino, de que nos oferecem uma bela e eloquente expressão.

Maria João Fernandes refletiu sobre o mistério que preside à imagem poética desdobrando as suas evidências e segredos no presente livro, a este respeito acrescentando: “A mulher na poesia de Gonçalo Salvado representa a maior luz, a maior energia possíveis, mistério capaz de inspirar, como o Sagrado, terror e maravilha. É plenitude do Ser devolvido à sua mágica essência que cintila numa luz total e transfigurante que em si abarca a noite. Mágica essência do feminino, igual à Primavera, a um oceano de estrelas a flores que amanhecem com o sol, igual a Vida, na esplendorosa chuva de metáforas dos poemas. E no entanto esta maior plenitude, este excesso de Vida, síntese alquímica de todos os opostos, não é contínua, ela manifesta-se no instante supremo do amor, onde vida e morte, sensualidade e sacralidade são um só fenómeno da consciência e do corpo. Epifania do corpo, porque para o poeta tudo passa pela paixão dos sentidos, por uma carnal embriaguez, idêntica à que o vinho provoca. A amada perpassa livremente no céu do amor reunindo tempos e espaços e traduzindo o movimento do espírito em direção à luz. (…) Verdadeiro objeto de toda a poesia de Gonçalo Salvado que neste livro cumpre uma das suas etapas fundamentais, na simultânea alquimia de palavra e imagem.”

O autor finalizou a sessão com os agradecimentos a todos os envolvidos no evento, em particular à Câmara Municipal de Castelo Branco e ao seu presidente, que o proporcionou.

 

 

Comentar