Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

BeiraNews | Novembro 21, 2018

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Harpa laser desenvolvida por aluno da ESTCB-IPCB tem projeção internacional

Harpa laser desenvolvida por aluno da ESTCB-IPCB tem projeção internacional
José Lagiosa

Miguel Henriques Fernandes é aluno de Engenharia Eletrotécnica e das Telecomunicações da Escola Superior de Tecnologia do IPCB e teclista numa banda.

Sempre teve paixão pela música eletrónica e sintetizadores, e desta conjugação decidiu desenvolver uma harpa laser no âmbito do seu projeto final de curso.

Segundo as palavras do aluno “Este projeto, orientado pelo docente Rogério Dionísio, permitiu-me elaborar um dispositivo que pudesse representar competências, temáticas e conhecimentos adquiridos ao longo do processo de aprendizagem na ESTCB, bem como ser articulado e complementado com os meus conhecimentos e experiência no meio musical, e assim permitir a sua integração e teste com instrumentos musicais no âmbito da música electrónica”.

Harpa Laser

Interrompendo um ou mais feixes óticos da harpa laser, um músico pode produzir sons.

O dispositivo desenvolvido é um controlador MIDI laser que por si só não produz som, sendo necessário ligá-lo a dispositivos geradores de som, compatíveis com o protocolo MIDI, tais como sintetizadores hardware, samplers, ou ainda plugins num computador.

A harpa laser permite polifonia desde que o equipamento a ela ligado seja um equipamento polifónico.

Permite ainda selecionar escalas diferentes, e graças a uma fita de LEDs incorporada na estrutura, associar uma cor a uma escala musical ou a um conjunto de notas.

O vídeo publicado no Youtube com uma demonstração do uso da harpa laser, conta já com mais de 2450 visualizações e com tendência a aumentar.

A harpa laser ganhou ainda mais destaque quando MatrixSynth, um website internacional dedicado a tudo o que é sintetizador e música eletrónica, partilhou o vídeo do aluno.

A harpa laser, atualmente em fase de protótipo, será progressivamente melhorada e integrada num projeto empresarial a desenvolver no CEI – Centro de Empresas Inovadoras de Castelo Branco.

Comentar