9.9 C
Castelo Branco
Terça-feira, Dezembro 7, 2021
No menu items!
InícioNacionalMunicípio de Ródão apresentou projeto de sensibilização para as alterações climáticas

Município de Ródão apresentou projeto de sensibilização para as alterações climáticas

A Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão apresentou no dia 23 de novembro, na Casa de Artes e Cultura do Tejo, o projeto “Sensibilização dos Rodenses para os Impactos das Alterações Climáticas”, uma ação que resulta de uma candidatura aos fundos de coesão e visa sensibilizar a população do concelho para os riscos das alterações climáticas.
A sessão de apresentação contou com a presença do presidente da Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão, Luís Pereira, da engenheira Maria da Conceição Vieira, da empresa de consultoria Enhidrica, parceira da autarquia na implementação do projeto, da arquiteta Ana Timóteo, do Município de Castelo Branco, do Comandante Distrital da Proteção Civil de Castelo Branco, Francisco Peraboa.
Tendo em conta que as alterações climáticas são uma realidade e uma prioridade nacional, face aos seus impactos atuais e futuros sobre a nossa sociedade, economia e ecossistemas, o Município tomou a iniciativa de promover esta operação no âmbito do POSEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos.
A candidatura tem um custo total de 154 543, 35 €, dos quais 75% são comparticipados por fundos comunitários.
A sessão de apresentação contou com a presença do presidente da Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão, Luís Pereira, que lembrou que a questão das alterações climáticas é “um problema que nos deve mobilizar a todos, não apenas enquanto instituições, mas também enquanto sociedade civil, e é isso que a Câmara Municipal está a fazer, alinhando com aquilo que é a estratégia do país para as alterações climáticas”.
“Os pequenos gestos são tão importantes como as grandes decisões e, por isso, enquanto comunidade também temos a obrigação de pensar no nosso relacionamento com os nossos recursos e em como podemos usá-los de forma mais eficiente e racional, de forma a mitigar as alterações climáticas. O nosso desafio enquanto instituição é sensibilizar a população para esta problemática e implementar práticas que levem a uma melhor utilização dos recursos”, explicou o autarca.
A apresentação do projeto foi feita por Maria da Conceição Vieira, da consultora Enhidrica, que sublinhou que os estudos indicam que Portugal se encontra entre os países europeus mais afetados pelas alterações climáticas, o que leva a que no futuro estejamos mais suscetíveis a sofrer fenómenos meteorológicos extremos, como ondas de calor, seca, precipitação intensa, vagas de frio ou ventos fortes.
Tendo em conta esta realidade, o projeto desenvolvido pela autarquia rodense tem por objetivo a melhoria do nível de conhecimento da população sobre esta problemática e a disponibilização de ferramentas e mecanismos que auxiliem nos esforços de adaptação a estes fenómenos.
Para tal, está prevista a realização de um conjunto de atividades que incluem a realização de sessões de esclarecimento nas freguesias do concelho, a produção de brochuras e folhetos, a criação de uma mascote, a realização de uma peça de teatro e de um vídeo ou ainda de uma exposição e caminhadas temáticas, entre outras.
Ana Timóteo, da Câmara Municipal de Castelo Branco, falou sobre a experiência do município albicastrense no âmbito no Projeto ClimAdaPT.Local, que permitiu identificar as principais vulnerabilidades futuras do concelho e construir uma Estratégia Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas.
A última intervenção da sessão coube ao Comandante Distrital da Proteção Civil de Castelo Branco, Francisco Peraboa, que fez uma breve apresentação sobre a natureza e as áreas de intervenção da Proteção Civil.
Este responsável distrital frisou que a ocorrência de fenómenos meteorológicos extremos é cada vez mais frequente e que estes têm cada vez mais impacto nas populações, pelo que devem ser estudados para que aprendamos a autoproteger-nos. Lembrando o lema daquela entidade, “Todos somos Proteção Civil”, recordou que o cidadão comum é muitas vezes a primeira pessoa a responder quando existem acidentes ou catástrofes e que, por isso, todos devemos fazer a nossa parte para mitigar as alterações climáticas.

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: