7.3 C
Castelo Branco
Terça-feira, Dezembro 1, 2020
No menu items!
Início Nacional Paralisação dos enfermeiros chega ao fim depois de milhares de cirurgias adiadas

Paralisação dos enfermeiros chega ao fim depois de milhares de cirurgias adiadas

A greve dos enfermeiros em blocos operatórios chega hoje ao fim, uma paralisação que durou mais de um mês, colocou o setor da saúde em convulsão e provocou o adiamento de mais de 10 mil cirurgias, segundo os sindicatos.
Apelidada de “greve cirúrgica”, foi uma paralisação inédita, não só por ser tão prolongada no tempo, mas também porque um movimento de enfermeiros criou uma recolha de fundos através da Internet para financiar os grevistas.
A greve foi convocada por duas estruturas sindicais, mas depois de o movimento “greve cirúrgica” ter já iniciado a recolha de fundos que conseguiu recolher mais de 360 mil euros. Iniciada a 22 de novembro, a greve abrangeu cinco centros hospitalares: Centro Hospitalar S. João (Porto), Centro Hospitalar e Universitário do Porto, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Centro Hospitalar Lisboa Norte e Centro Hospitalar de Setúbal.
Em declarações à agência Lusa, Lúcia Leite, presidente de um dos sindicatos que convocou a greve, disse que os sindicatos deixaram de contabilizar diariamente as cirurgias que foram sendo adidas, mas que tomam como referência a média diária dos primeiros dias, que foi de 500 operações canceladas ou adiadas.
Multiplicando pelos dias úteis de greve, a paralisação afetou mais de 10 mil operações programadas, incluindo casos de operações a doentes oncológicos. O adiamento de cirurgias motivou alertas, avisos e manifestações de preocupação entre vários atores da área da saúde. Os administradores hospitalares denunciaram que haveria doentes em situações críticas com cirurgias adiadas, considerando o panorama “extremamente grave”.
A Ordem dos Médicos também alertou para doentes prioritários que não estariam a ser operados e insistiu que os hospitais deviam divulgar os casos dos doentes com cirurgias adiadas. A Ordem chegou a fazer esta exigência às administrações das unidades de saúde recorrendo à legislação que obriga a facultar dados e documentos administrativos.
Da parte do Governo, a ministra da Saúde considerou desde logo, mesmo antes do início do protesto, que a greve era “extraordinariamente agressiva”, mas foi recusando negociar com os sindicatos que convocaram a paralisação enquanto esta decorria.
Entretanto, para quinta-feira, já sem greve a decorrer, os dois sindicatos têm uma reunião negocial com o Governo, mas há já novas paralisações. Entre as reivindicações dos enfermeiros estão a criação de uma categoria de especialista na carreira, a antecipação da idade da reforma e melhoria de condições no Serviço Nacional de Saúde.
*Lusa / Foto: ANTÓNIO COTRIM

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

Nuno Borges afastado por favorito no regresso ao Maia Open; quarteto português em destaque na terça-feira

Maiato não conseguiu surpreender adversário mais cotado Sousa, Domingues, Oliveira e Elias prontos para as estreias

Covid-19: Empresários da restauração iniciam vigília por tempo indeterminado no Porto

Empresários da restauração do Porto iniciaram esta noite, defronte da Câmara do Porto, uma vigília por tempo indeterminado até o Governo discutir...

Vereadores do PSD visitaram o ...

Os vereadores do PSD visitaram no passado dia 28.11.2020, por solicitação dos mesmos, o Kartódromo de Castelo Branco, os quais contaram com...

Covid-19: Maior controlo nas fronteiras não foi eficaz para conter o vírus

O ministro da Administração Interna considerou hoje que o maior controlo nas fronteiras internas do espaço Schengen, durante os primeiros meses da...

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: