Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Fevereiro 22, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Trabalhadores dos impostos iniciam hoje greve contra atraso na negociação das carreiras

Trabalhadores dos impostos iniciam hoje greve contra atraso na negociação das carreiras
José Lagiosa

Os trabalhadores dos impostos e das alfândegas iniciam hoje uma greve, que se prolonga até 31 de dezembro, contra o atraso verificado na negociação das carreiras com o Governo, prevendo impactos nos aeroportos, finanças e portos.

“O principal motivo [da paralisação] tem a ver com o não andamento das negociações relativamente à carreira. Há cerca de um mês e meio que o secretário de Estado [dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes] nos enviou um documento e nós remetemos uma contraproposta”, disse, na sexta-feira, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos, Paulo Ralha, em declarações à Lusa.

De acordo com o sindicalista, o Governo ainda não apresentou uma resposta, tendo os trabalhadores, por isso, decidido manifestar o seu descontentamento.

Paulo Ralha explicou, na altura, que o atraso se deve ao facto de o documento em causa ter que passar pelas secretarias de Estado do Emprego Público e do Orçamento, ressalvando que os trabalhadores já esperaram “demasiado tempo” e que “estes passos já poderiam ter sido todos dados, se houvesse outra vontade do Governo em desbloquear a situação”.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos indicou ainda que a greve deverá ter impactos no serviço de reembolsos do IVA nos aeroportos, no desalfandegamento de algumas mercadorias nos portos e no atendimento dos contribuintes nos serviços das finanças.

“Terá impactos também na atividade económica, nomeadamente, no que diz respeito a empresas com planos de pagamento em curso […], em que não sendo efetuado o pagamento na data certa, cai a penhora automática e podem ver congeladas as contas bancárias ou outros bens”, acrescentou.

Apesar de não avançar com uma previsão de adesão, o responsável sindical afirmou que, entre os 10.500 trabalhadores do setor, “há muita vontade de fazer greve e de manifestar essa indignação”.

Paulo Ralha adiantou ainda que estão previstas novas formas de luta, a anunciar caso o Governo não dê resposta aos trabalhadores.

*Lusa / Foto: Miguel A.Lopes

Comentar