Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Abril 7, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

FMI pede à Guiné-Bissau campanha de comercialização transparente e concorrencial de caju

FMI pede à Guiné-Bissau campanha de comercialização transparente e concorrencial de caju
José Lagiosa

O Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu hoje à Guiné-Bissau para realizar uma campanha de comercialização transparente e concorrencial de caju, assegurando um preço de referência consistente com o praticado no mercado internacional.

“A preservação de um ambiente propício à atividade do setor privado apoiaria uma retoma do crescimento económico em 2019. Será crítico assegurar uma campanha de comercialização de caju transparente e concorrencial, começando pelo anúncio de um preço de referência consistente com a evolução dos preços internacionais”, afirmou, em conferência de imprensa, Tobias Rasmussen, chefe da missão do FMI para a Guiné-Bissau.

Uma missão do FMI realizou esta semana uma visita à Guiné-Bissau para apreciar o projeto de orçamento para 2019 para consolidar as finanças públicas e debater a evolução do setor financeiro.

Segundo o FMI, a economia guineense esteve sob pressão em 2018, tendo o Produto Interno Bruto (PIB) real caído para 3,8%, depois de entre 2015 e 2017 ter rondado os 6%.

A queda do PIB deveu-se essencialmente a uma menor produção e a uma queda do preço do caju, principal produto de exportação do país e que tem suportado nos últimos anos o crescimento económico.

“As exportações de caju caíram em cerca de 25%”, disse Tobias Rasmussen, salientando que menores crescimento e cobrança de receita levaram ao incumprimento das metas orçamentais.

O défice terá aumentado para 5% do PIB, contra uma meta de 2,5%, referiu.

Em 2018, no arranque da campanha de comercialização do caju, o Presidente guineense, José Mário Vaz, definiu o preço em 1,5 euros por quilograma, superior ao que estava a ser praticado no mercado internacional.

O preço de compra ao agricultor acabou por afastar a maior parte dos compradores estrangeiros, principalmente indianos, e prejudicar os cofres do Estado em milhões de euros.

Segundo o primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes, em maio, o Estado guineense já estava a perder 21 milhões de euros.

Depois de ter estado parado durante vários meses, o Governo fixou o preço de referência de 500 francos cfa (0,75 cêntimos de euros) e os agricultores conseguiram escoar o produto.

*Lusa / Foto: ANDRE KOSTERS

Comentar