Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

BeiraNews | Março 23, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Ponto de Vista… por António Justo

Ponto de Vista… por António Justo
José Lagiosa

Da perturbação da paz marxista e da sua resistência contra Bolsonaro

Qual a cor predominante nos meios de comunicação social

Independentemente de se torcer mais pela esquerda ou pela direita, para se ter uma ideia um pouco objectiva acera da nossa praça  e poder constatar se nela domina o vermelho ou o preto bastaria fazer a comparação sobre a reacção dos Media e do pensar politicamente correcto em relação à reeleição do socialista Nicolás Maduro na Venezuela e à eleição do conservador Jair Bolsonaro no Brasil.  O facto é que também, quando o socialista Lula da Silva foi eleito no Brasil, não se ouviu na praça pública a indignação que há agora com a eleição de Bolsonaro nem se assistiu ao borborinho inquieto que reina hoje nas redacções dos Media. Daqui seria legítimo concluir que nos Media se mede com duas mediadas e na consequência é claro que os meios de comunicação social, em geral, são de tom avermelhado, só que ninguém nota!

Na opinião pública, antes a batalha era contra Trump e agora parece ser Boslonaro o bombo da festa, principalmente nos Media da Ibéria, embora ele mal tenha começado a governar.
Os críticos, à imagem do PT, esqueceram-se que Deus é brasileiro e sentem-se agora desconsolados por Bolsonaro ter colocado na ordem do dia o tema Deus-Pátria-Família, assunto que, a extrema-esquerda e socialistas militantes, já julgavam ter arrumado no caixote do lixo da História; aquela História para a qual se desejava ouvir o tocar de sinos a finados!

António Justo

Como o Brasil é grande e, para ele, a História não começou nem acabou ontem, o cidadão brasileiro está consciente que, para andar, não é suficiente dar-se só um passo à esquerda, mas que para progredir é preciso ousar dar também o inevitável passo à direita e assim sucessivamente! Por outro lado, também é natural e legítimo que cada um procure o seu porto de abrigo desde que o não imponha aos outros nem tente tapar o sol com a peneira. Também é de compreender que, nestes assuntos, quem mais grita é a esquerda habituada a viver encostada ao aparelho do Estado. Mesmo assim torna-se incompreensível tanta agitação chegando-se a ter a impressão que, para muitos, o que está em questão não é tanto o bem-comum, mas mais os amigos do taxo e uma melhor oportunidade para afogar o ganso!…

Dê-se tempo a Bolsonaro de agir porque no fim lá estará o juiz povo para dar a sentença (se a infraestrutura instalada do PT lhes der oportunidade para isso!). De palavras anda o mundo cheio e os interesses de uns e outros são tão diversos que só os resultados das obras convencerão: é de esperar que Bolsonaro fomente uma democracia aberta a todos, e se aproveite da intriga europeia-americana-chinesa para dialogar com todas as forças da nação para que o Brasil  continue Brasil e assuma o significado e papel que merece ter em toda a américa latina: estabilizar a democracia e a economia  para poder assumir a liderança da américa do Sul e entrar no jogo do xadrez internacional.

Conviver com o marxismo sem ter de o abraçar

Os comentadores portugueses sempre se preocuparam com os de fora, sem se importarem grande coisa com os de dentro. Desde o Marquês de Pombal, Portugal começou a ser um atrelado ideológico da França e não deixou de o ser apesar das posteriores invasões francesas (pelo contrário!) e também os revolucionários de Abril mais não fizeram que tentar torna-lo num atrelado do marxismo e maoismo, mas o 26 de Novembro abrandou-lhes o intento.

Quando deixaremos de olhar tanto para os outros para nos observarmos mais a nós e assim possibilitarmos um pensamento próprio que não se contente apenas em consumir o génio português. Vai sendo tempo de deixarmos de pentear macacos sejam eles da direita ou da esquerda. Importantes são os macacos, o que implica a capacidade de reconhecer que o penteado é mais uma questão de moda e de ocupação; muito embora, nela é que muitos vão ganhando o seu pão.

Podemos conviver com o marxismo, mas sem termos de o abraçar! Sim, até porque a crença de cada um também é determinada pelo seu currículo. Vale sempre a pena, optar pela construção de uma História em que os actores sociais de baixo consigam um lugar entre os actores dirigentes. Este é um dos objectivos do cristianismo pelo que todos os que trabalham neste sentido deveriam irmanar-se e não combater-se.

Dos defensores do martelo e da espada

Os mesmos que condenam a cruz e a espada usam o martelo e a espada, não de mãos dadas nem de joelhos, mas de punho cerrado, em nome do seu progresso contra a “velha cultura” em vez de cristãos e socialistas se unirem na mesma luta contra a injustiça e contra a opressão venha ela de onde vier!  Ao considerarmo-nos inimigos na mesma missão de libertar os oprimidos servimo-nos a nós mesmos e as nossas vaidades e egoismos e quem perde é o oprimido que pretendemos defender!

Nós europeus ainda não perdemos aquele jeito militante de querer medir e avaliar o mundo pela nossa norma e, com esta estratégia, fomentar a intriga e guerrilhas, em nome da Democracia e dos nossos altos valores! Condena-se a cruz para se ir arvorando o martelo. É de observar um grande cinismo nos Media que levam a opinião pública a pensar como legítimo que aquilo que se condena no colonialismo de antigamente, é considerado válido e aceite nos jacobinos de hoje! Lula fez o que bem lhe apeteceu e então não havia Meios de Comunicação europeia que o julgasse. (Naturalmente que a medida de juízo que uso aqui para a esquerda radical vale também para uma direita radical a observar-se no governo turco de Erdogan que usa os mesmos meios de autoafirmação como estamos habituados a ver a esquerda).

Pouco a pouco vai-se tendo a impressão que os Media se encontram sobretudo nas mãos de uma esquerda caviar ávida e arrogante que, à mesa de um turbo-capitalismo desumano, quer comer tudo (o pão e as ideias) sem deixarem nada para os outros. Os impacientes que vivem do negócio da ideologia esquecem-se que o povo tem vigor e pachorra para alimentar uns e outros, mas de maneira ordenada, cada um na sua vez! Ou será que não se pode exigir das elites a mesma disciplina e educação que estas exigem ao povo?! Ou não será que a democracia não é feita de todos e tem de alimentar todos?! Cada um deve mamar, mas ter a paciência de esperar por sua vez: ou será que os peitos da nação estão reservados para os guerreiros?!

No jogo é preciso baralhar as bolas e ter em conta as pernas da mesa que as sustentam! Não chega ver, é preciso avaliar a força, a direcção e o impulso donde as bolas vêm para então entrar também no jogo, conscientes, muito embora, que todas as bolas têm a sua justificação. Estejamos onde estivermos, importa considerar que temos sempre pessoas à nossa frente!

O Discurso de posse do embaixador Ernesto Araújo, ministro Ernesto Araujo questiona o proselitismo jacobino ao serviço de um marxismo funcional e fala primeiramente sobre e para o Brasil, um Brasil intercultural e multirracial que não se deve envergonhar da sua história e não se quer ver perdido só no discurso proletário e por isso alerta para a rejeição de um politicamente correto ao serviço do relativismo cultural contra a civilização ocidental.  Daí esperemos que as obras correspondam ao nobre discurso, embora a natureza e a Boa Nova nos ensinem que não há campo de trigo sem joio, sejam os lavradores da direita ou da esquerda. A maior dificuldade do novo governo será a oposição que lhe virá da administração; depois de tantos anos nas mãos do PT, um novo governo, em estado de organização, terá que contar com uma resistência forte, já não de caracter popular ma sim institucional. Sim, no Brasil a revolução ainda é possível, numa Europa já não!…

Também o facto de muçulmanos viverem no Brasil e o novo governo ter apelado a não se perder a tradição cristã, não justifica que muçulmanos se levantem agora, acusando o discurso do governo como discriminatório e como estimulador do preconceito religioso, por ter feito referências às raízes judaico-cristão do Brasil; ou será que uma pessoa na própria casa terá de se negar a si mesma  pelo simples facto de ter a abertura de ter aceitado o outro como irmão?

Nos países de tradição religiosa ocidental não é comum dividir-se o mundo em “nós” de um lado e “os outros do outro”; essa preocupação é natural e justificada em países ou sociedades de maioria cultural árabe! Ou será que a agenda materialista da luta antiocidental terá de ser mais favorável à religião islâmica do que à religião cristã?  Segundo o censo demográfico (IBGE) de 2010, no Brasil há 35.167 seguidores do islamismo, mas instituições islâmicas brasileiras dizem que há 1,5 milhões muçulmanos no país.

Para que o progresso continue, torna-se óbvia a tolerância e a convivência pacífica de religiosos, ateus, crentes, descrentes e sépticos. Nas sociedades onde isto se cultiva podemos observar um grande avanço em relação a outras.

© António da Cunha Duarte Justo, Teólogo e Pedagogo
“Pegadas do Tempo”, http://antonio-justo.eu/?p=5230

 

 

 

Comentar