Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Julho 19, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Segundo romance do músico Sérgio Godinho chega esta semana às livrarias

Segundo romance do músico Sérgio Godinho chega esta semana às livrarias
José Lagiosa

O cantor e compositor Sérgio Godinho edita esta semana um novo romance, dois anos depois de se ter aventurado neste género literário, desta vez um ‘thriller’, envolvendo desejo e sexo, em torno de uma história de sequestro.

Editado pela Quetzal, “Estocolmo” é o segundo romance da autoria de Sérgio Godinho, que em 2017 se estreou com “Coração mais que perfeito”, a primeira incursão na área da ficção longa, depois de ter já publicado um conjunto de contos sob o título “Vidadupla”.

Ao contrário do que se passa na música “Balada da Rita”, ninguém disse um dia à personagem desta história, escrita também por Sérgio Godinho, “Vicente, põe-te em guarda”, mas “é desse ritmo tão próprio” do autor “que nasce o seu novo romance”, descreve a editora.

Com chegada prevista às livrarias na próxima sexta-feira, “Estocolmo” é um ‘thriller’ “envolvente e carregado de desejo e sexo” em torno de uma história de “dominação e perversidade, um retrato duro de sujeição e prazer, e de todas as ambiguidades que quase sempre comportam as relações amorosas”, acrescenta.

Esta é a história de uma vítima de sequestro que se apaixona pela sequestradora, um fenómeno conhecido como Síndrome de Estocolmo, a que o título da obra alude.

Quanto ao enredo, a Quetzal releva que ao responder ao anúncio de um quarto para alugar, o jovem estudante Vicente descobre que a senhoria é Diana Albuquerque, a célebre pivô do telejornal das oito. A estupefação inicial do estudante rapidamente se transforma numa forte atração mútua. Vicente muda-se para casa de Diana, ocupando o quarto no sótão, e Diana ocupa-lhe a cama, mas um dia o jovem acorda para a estranha realidade de estar trancado no seu novo quarto.

Sérgio Godinho nasceu no Porto, onde viveu até aos 20 anos, altura em que saiu de Portugal.

Estudou Psicologia em Genebra durante dois anos, foi ator de teatro e começou a exercitar a escrita de canções nos finais dos anos 1960, sendo de 1971 o seu primeiro álbum, “Os Sobreviventes”, a que se seguiram mais 30 editados até aos dias de hoje.

Da escrita de música passou para a escrita de outros géneros, como guiões de cinema (“Kilas, o Mau da Fita”), peças de teatro (“Eu, Tu, Ele, Nós, Vós, Eles!”), séries de televisão, histórias infantojuvenis (“O Pequeno Livro dos Medos”), poesia (“O Sangue por Um Fio”), crónicas (“Caríssimas Quarenta Canções”), entre outras.

Estreou-se na ficção com “Vidadupla”, um conjunto de contos publicado em 2014, a que se seguiu o seu primeiro romance, “Coração Mais Que Perfeito” e, agora, “Estocolmo”.

*Lusa / Foto: ptjornal.com

Comentar