Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

BeiraNews | Fevereiro 21, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

PM da Guiné-Bissau quer indigitação de ministro do Interior para eleições “em sossego”

PM da Guiné-Bissau quer indigitação de ministro do Interior para eleições “em sossego”
José Lagiosa

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Aristides Gomes, pediu hoje a indigitação de um ministro do Interior para que se possam criar condições de segurança para as eleições legislativas, marcadas para 10 de março.

“Eu acho que o Presidente deve, comigo, resolver este problema. Eu não tenho objeção nenhuma em que haja um ministro do Interior já, para que possamos criar as condições de segurança para que possamos ir a eleições em sossego”, afirmou Aristides Gomes.

O primeiro-ministro confirmou também que já enviou ao chefe de Estado, José Mário Vaz, uma proposta.

No início de novembro, o Presidente guineense, José Mário Vaz, exonerou o ministro do Interior, Mutaro Djaló, a pedido do primeiro-ministro, depois da violência usada pela polícia do país para dispersar uma manifestação de estudantes, com recurso a bastões e granadas de gás lacrimogéneo.

Na altura, o comissário nacional da polícia guineense, Celso de Carvalho, disse que não autorizou o uso de força contra os jovens e que nem sabia da organização da manifestação.

A Guiné-Bissau realiza eleições legislativas a 10 de março e a campanha eleitoral arranca a 16 de fevereiro.

Sobre os incidentes registados na sexta-feira na capital guineense, o primeiro-ministro disse que se a “polícia tivesse feito um trabalho como fez anteriormente não teria havido prejuízos” como os que se registaram.

“É preciso que a polícia nacional a partir de hoje faça o seu trabalho de persuasão, da criação de condições para que as pessoas se manifestem livremente, mas que não tenham a possibilidade de estragar os bens do país”, afirmou.

Na sexta-feira, uma manifestação de estudantes culminou em distúrbios e atos de vandalismos contra viaturas e vários edifícios, que a polícia, o Governo e a sociedade civil consideram terem sido feitos por infiltrados.

*Lusa / Foto: Inácio Rosa

Comentar