Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Junho 26, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

João Lobo defende BUPi para todos os municípios na Assembleia da República

João Lobo defende BUPi para todos os municípios na Assembleia da República
José Lagiosa

Em causa está a proposta de Lei n.º 161/XIII sobre o alargamento do BUPi

Os presidentes das Câmaras Municipais de Proença-a-Nova e de Penela, João Lobo (PS) e Luís Matias (PSD) foram ouvidos esta segunda-feira, 16 de abril, na Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação no âmbito do Sistema de Informação Cadastral Simplificada e da Proposta de Lei n.º 161/XIII que, entre outras medidas, prevê o alargamento do BUPi – Balcão Único do Prédio a todos os municípios do país

Perante o Grupo de Trabalho composto por Emília Cerqueira – coordenadora (PSD), José Manuel Carpinteiro (PS), Pedro Soares (BE), Patrícia Fonseca (CDS-PP) e João Dias (PCP), João Lobo mostrou-se “acérrimo defensor” desta medida.

“Proença-a-Nova olha como uma prioridade a questão do cadastro e desde logo empenhou-se de forma diferenciada, relativamente até aos recursos humanos que estiveram afetos ao próprio programa, e isso mesmo foi visto na nossa capacidade de realização de trabalho ao longo deste período”, afirmou.

Entre novembro de 2017 e dezembro de 2018, foram realizados 35.014 processos, que correspondem a 32% da área total do concelho, estando sete técnicos afetos, de forma sequencial, ao atendimento ao público.

João Lobo falou ainda do investimento de cem mil euros que o Município realizou e que contribuiu para o sucesso do projeto piloto.

Contas feitas, cada processo teve um custo de 3,5€, ficando o hectare a 11€.

Caso a opção seja por implementar o processo de cadastro geométrico, este terá um custo entre os 80 e 90 euros por hectare.

Nesse sentido, o autarca defende desde já a implementação do cadastro simplificado tendo em conta que “50% do trabalho do cadastro simplificado, do ponto de vista técnico, vai ser retirado ao cadastro geométrico, pelo que estaremos a falar de um valor eventual de 31,50€ o hectare para ter os dois procedimentos ajustados no território”.

João Lobo sensibilizou os deputados presentes para que na reprogramação do próximo quadro comunitário esteja previsto o valor para implementar o cadastro, repondo a equidade territorial, uma vez que apenas parte do país é cadastrado.

“Só gere quem conhece o território, o problema é que nem o Município nem o Estado conhecem o seu território”, referiu.

Os deputados deste grupo de trabalho levantaram algumas questões, relacionadas com o rigor do BUPi e a segurança jurídica, a gratuitidade, os prédios rústicos omissos, a divulgação na diáspora ou a transferência de encargos para as autarquias.

No período de resposta, João Lobo voltou a reforçar a importância de se implementar o cadastro simplificado e que o Município de Proença-a-Nova o irá implementar mesmo que a proposta de lei não seja aprovada quando for novamente a votação na Assembleia da República.

Enquanto o processo legislativo não é concluído, os proprietários do concelho podem continuar a beneficiar dos serviços do BUPi, com agendamentos disponíveis na Conservatória do Registo Predial.

Comentar