Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Dezembro 11, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

António João Pinto Pires mandatário distrital do BE nas Legislativas

António João Pinto Pires mandatário distrital do BE nas Legislativas
José Lagiosa

O Bloco de Esquerda, no âmbito da candidatura às eleições legislativas de 6 de outubro, anunciou que António João Pinto Pires foi escolhido para seu mandatário no distrito de Castelo Branco.

António João Pinto Pires, natural da Covilhã onde nasceu em fevereiro de 1954, desde sempre conheceu uma paixão imensa pelos comboios e caminho-de-ferro em geral.

Na então Escola Industrial e Comercial Campos Melo, completou o Curso Geral do Comércio.

Em Lisboa prosseguiu os estudos concluindo o curso geral dos liceus, na área das letras e humanidades.

Na Faculdade de Letras da Universidade Coimbra obteve a Licenciatura em História, na variante de história contemporânea, iniciando a partir daí a carreira de professor, que exerce na Escola Básica Pêro da Covilhã.

A sua paixão, pelo património, conduzem-no a obter algumas pós graduações na área da defesa do património, nomeadamente no Centro Nacional de Cultura e Universidade Nova de Lisboa.

Na Covilhã, presidiu à Associação Cava Juliana e ao Orfeão da Covilhã.

Em 1991, conjuntamente com outros aficionados funda “O 6 de Setembro, Grupo de Amigos do Caminho de Ferro da Beira Baixa”, e publicou nesta data uma breve história do mesmo, contada aos mais novos, para além de outros textos relacionados.

Na Universidade Nova de Lisboa, obtém uma pós-graduação em História de Portugal no Séc. XIX e XX, aprofundando como tema de investigação, “A Linha da Beira Baixa”.

No Centro Nacional de Cultura, obtém uma pós-graduação em Cultura, nas suas diversas variantes, com o intuito de se formar uma bolsa de formadores, no âmbito do Ministério da Educação.

Em 2004 conclui o Mestrado em Museologia, na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias com a dissertação intitulada “O Museu Nacional Ferroviário e Polinucleado – Um Museu em Construção”, onde prossegue como doutorando no estudo do mesmo tema.

António João Pinto Pires

Foi o 1º presidente da Comissão Executiva Instaladora do Museu Nacional Ferroviário no Entroncamento, cargo que exerceu entre 1997 e 2002 e coautor do 1º plano diretor para este museu.

De 2002 a 2008 foi assessor do Município de Alcanena, na área do património museológico, tendo colaborado na execução de diversos projetos nessa área, nomeadamente do Museu do Curtume.

É membro da APAI, Associação Portuguesa do Arqueologia Industrial, APPI, Associação Portuguesa do Património Industrial e APSPCI, Associação Portuguesa para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial.

Em 2003, é acreditado como formador, pelo Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua, nas áreas de História da Arte, Museologia e Didáticas Específicas no âmbito da História.

Tem publicado diversos artigos sobre a temática da cultura e defesa do património em alguns jornais e revistas do país, região e estrangeiras.

É colaborador assíduo do “Notícias da Covilhã”, “Jornal do Fundão” e “Fórum da Covilhã” e outros periódicos da região.

Autor de diversos projetos e estudos museológicos para a Covilhã, nomeadamente direcionados para a criação e concepção de um museu de cidade e identidade, os quais constam da sua obra intitulada “Covilhã – A Cidade e a Cultura”, publicada em 2017.

Em 2015 dirige a publicação da obra “Recordar É Viver – 12 profissões antigas da Covilhã”, da autoria de Humberto Correia Morão, a convite da Câmara Municipal da Covilhã.

Em 2016, publicou a obra, “Linha da Beira Baixa, Debates na Câmara dos Dignos Pares do Reino e Câmara dos Deputados”. Em 2018 publicou “Mateus Fernandes – Memórias de uma rua. Ensaio na 1ª pessoa” e “Professor António Esteves Lopes. Covilhã 1922-1952”.

Já em 2019 participa como orador no Encontro do Interior em Alijó, organizado pelo Bloco de Esquerda, no painel sobre a mobilidade e as acessibilidades no interior do país. 

Foi o responsável pela instalação da Galeria Professor António Lopes, com seu filho Sebastião Lopes, a convite do Município da Covilhã, inaugurada em 2015.

Comentar