Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Agosto 18, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Ateliê da Cereja, na freguesia das Sarnadas de S. Simão, foi um êxito

Ateliê da Cereja, na freguesia das Sarnadas de S. Simão, foi um êxito
José Lagiosa

O sétimo ateliê temático de cultura e gastronomia da ronda “Dez Freguesias, Dez Experiências” que o Município de Oleiros está a desenvolver pelo concelho realizou-se no passado sábado, dia 22 de junho, na freguesia de Sarnadas de S. Simão e veio, uma vez mais, valorizar o território em destaque.

O Ateliê da Cereja, promovido pelo Município e pela Junta de Freguesia de Sarnadas de S. Simão, com o apoio da Associação Recreativa “Os Amigos da Cardosa” revelou-se um êxito e realçou os ativos naturais e histórico-patrimoniais daquela freguesia, possibilitando a todos uma experiência bastante enriquecedora.

O passeio pedestre interpretativo iniciou-se na aldeia de Cardosa, tendo como guia local o investigador Leonel Azevedo, natural daquela localidade.

Após um enquadramento histórico do território e animado pela atuação dos Bombos da Cardosa, o grupo partiu em direção a uma fonte natural que no passado suscitou interesse para produção industrial de papel e para aproveitamento comercial de água.

Sendo este ateliê dedicado à cereja, os participantes visitaram um pomar de cerejeiras onde Inês Martins, do Município de Oleiros, fez uma abordagem à espécie e referiu alguns aspetos relacionados com o seu fruto; realçou a relação entre a flora e a toponímia local e destacou o interesse botânico da Serra do Muradal.

Nela ocorrem algumas espécies de relevo como: o azereiro (da mesma família e género taxonómico da cerejeira) – testemunha da floresta Laurissilva existente antes das glaciações – e alguns endemismos ibéricos, bem como pela variabilidade de plantas, nomeadamente das famílias das Cistáceas e das Ericáceas (nesta última incluem-se várias urzes e o medronheiro).

Partindo à descoberta da Serra do Muradal, o grupo passou pela bateria da Cardosa e foi brindado com uma explicação in loco por parte do guia local.

Recorde-se que esta é uma das várias estruturas militares existentes na Linha Defensiva Talhadas-Muradal, construída no século XVIII, sendo a primeira linha de defesa do território face às invasões que entravam pela Beira-Baixa.

Chegados ao geossítio do Portelo, os participantes puderam assistir e participar numa animada recriação histórica sobre as Invasões Francesas, pela Companhia de Teatro Viv ´Arte, e retemperar baterias num reforço alimentar onde se incluíram os muito apreciados pastéis de nata de cereja.

A descer em direção à sede de freguesia, num local com vista privilegiada sobre a região (recorde-se que segundo o Bispo de Angra, 1881, “Sarnadas virá do verbo latino cerno – ver ao longe”), a geóloga Joana Castro Rodrigues, do Geopark Naturtejo, explicou a diversidade geológica do território, o relevo apalachiano evidente na serra quartzítica do Muradal, a sua riqueza em fósseis marinhos – atestando que aquele sítio foi outrora o fundo de um oceano – e deu destaque ao projeto Trilho Internacional dos Apalaches.

Chegado às Sarnadas de S. Simão, o grupo visitou a Igreja Matriz e percorreu as ruas antigas do aglomerado, como é o caso da Rua do Ouro, que segundo a tradição local remete para alguns achados que atestam a antiguidade e importância estratégica daquele povoado.

Já no pavilhão da localidade, sendo este um ateliê temático de cultura e gastronomia, teve lugar o almoço, muito apreciado por todos os participantes, uma centena no total.

O cardápio local escolhido foi a típica carne fresca de festa, a tigelada e as cerejas consumidas em freco.

No final, os participantes foram ainda presenteados com um licor de cereja e uma caixinha de cerejas, em jeito de recordação da iniciativa.

A satisfação era geral e esta foi, sem dúvida, uma jornada rica em experiências.

Recorde-se que ainiciativa integra o projeto Beira Baixa Cultural, promovido pela Comunidade Intermunicipal e Municípios que a constituem, sendo cofinanciado pelo Fundo de Desenvolvimento Europeu / Portugal 2020.

Esta desenvolve-se até ao final do ano e os três últimos ateliês terão lugar nos dias 28 de setembro, 26 de outubro e 7 de dezembro, nas freguesias de Álvaro (Ateliê do Xisto e Cortiça), Estreito-Vilar Barroco (Ateliê do Linho) e Sobral (Ateliê do Azeite), respetivamente.

Comentar