Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Dezembro 14, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Gotzon Martin vence GP ABIMOTA

Gotzon Martin vence GP ABIMOTA
José Lagiosa

Pedro Andrade ganhou a derradeira etapa da prova sobre a meta, depois de 174 quilómetros disputados em condições difíceis, com chuva e vento a dificultarem o desempenho dos ciclistas

A chuva e o vento marcaram a quarta etapa do 40º GP ABIMOTA.

A derradeira etapa é conhecida como a etapa das praias e teve partida em Anadia e chegada a Águeda, num total de 174,35 Km´s.

Durante a tirada foram disputadas a Meta Autarquias em Ílhavo ao Km 64,90; Duas Metas Volante em Mira ao Km 27,50 e em Águeda (Km 99,40).

Foram ainda disputadas duas Metas de Montanha, em Sever do Vouga ao Km 136,40 e nas Talhadas ao Km 147,5. Meta Bolinhas em Albergaria-a-Velha ao Km 118,60.

Durante a última etapa

A etapa terminou às 17,00 horas na Av. 25 de Abril em Águeda.

A etapa das praias foi uma total surpresa, com um “volte face” final, pois quando tudo parecia indicar que Patrick Videira, da  Fortunna/Maia, tinha a prova na mão, Pedro Andrade, da Vito/Feirense/PNB, roubou-lhe os louros da etapa nos últimos 200 metros dos 174,35 quilómetros disputados.

Gotzon Martin, da Equipo Euskadi foi o homem da prova.

“Aproveitou a boleia” de Andrade e seguiu para o segundo posto da etapa, a dois segundos do vencedor e dessa forma bateu o Camisola Amarela, António Angulo Sampedro da Efapel, que tinha dominado as etapas anteriores, mas ficou a 53 segundos do basco nas contas finais do GP ABIMOTA.

Em termos de equipas a Vito/Feirense/PNB fez uma tirada irrepreensível, que a levou à vitória na etapa e, sobretudo, na prova.

As principais adversárias não tiveram sorte, ao perderem alguns dos seus homens da frente.

Pedro Andrade, da Vito/Feirense/PNB corta a meta em Águeda

Foi o caso da Efapel, que viu Pedro Paulinho abandonar na sequência de uma queda colectiva, ao quilómetro 27 e da W52/FC Porto, que perdeu Raúl Alarcon Garcia, por saída de estrada, ao quilómetro 153, já na descida para Águeda, onde terminou a etapa.

Na etapa quem recolheu mais pontos foi Pedro Andrade, da Vito/Feirense/PNB, mas a vitória nos pontos foi posse de António Angulo Sampedro, que dessa forma teve uma espécie de prémio de consolação.

Patrick Videira, da Fortunna/Maia, foi o vencedor do prémio da montanha, depois de uma etapa sempre corrida na cabeça da prova.

Nas Metas Volantes a vitória foi de David de la Fuente Rasilla, da Aviludo/Louletano. Elias Daniel Tello Volbaran, da Kuota – Construcciones Paulino, venceu a Geral Encarnada, Jorge Magalhães, de W52/FC Porto, venceu a Geral Juventude; na Geral Autarquias Daniel Freitas acabou em primeiro e David Ribeiro teve igual desempenho na Geral Bolinhas.

“Sinto-me muito feliz, pois é o meu primeiro ano como Sub23, tendo ainda apenas 19 anos e nunca tinha pensado vencer neste primeiro ano, um ano mais de adaptação, uma etapa e consegui logo vencer a última deste Grande Prémio ABIMOTA, com esta chegada mítica a Águeda”, referiu o vencedor da etapa, Pedro Andrade.

Por sua vez, Vital Ameida, director da prova declarou “correu bem, desportivamente houve muita competição, tivemos o azar de algumas quedas, alguns corredores tiveram que ir para o hospital, felizmente tenho a  informação que não é nada de grave, mas houve competição, competição até ao fim que é o mais importante”.

“Esta etapa teve duas partes distintas, uma parte em que as curvas atingiram grande velocidade, também não tinha grandes dificuldades, que é a parte que nós chamamos das ‘praias’, depois tivemos uma segunda parte muito mais interessante com algumas fugas, mas o ciclismo é isto e acho que temos aqui uma verdadeira festa do ciclismo”, salientou Gil Nadais, Secretário geral da Abimota.

Finalmente  o presidente da Camara Municipal de Águeda,  Jorge Almeida, fez o balanço do dia desportivo declarando, “hoje, por exemplo, tívemos aqui o tri Challenge, que também está ligado ao desporto de duas rodas, com centenas e centenas de participantes e acabou ao bocadinho e depois temos a chegada do ABIMOTA que é a 40ª edição, em todas as suas edições, naturalmente a Abimota está sediada em Águeda e acaba sempre em Águeda, é tradição e este ano aconteceu com bastante brilho, mesmo apesar deste tempo ameaçar alguma chuva, temos esta mole imensa de pessoas, que mostra o quanto as pessoas de Águeda gostam do ciclismo”.

“Águeda terra das duas rodas, das bicicletas, faz juz a isso e temos o ABIMOTA, mas há quinze dias tivemos aqui o grande prémio anicolor, ou seja este mesmo pelotão, teve aqui também numa chegada e no próximo fim de semana temos uma prova do nacional de Enduro, tivemos aqui o mundial de Motocross e depois vamos ter, durante o mês de Julho o Agite Águeda, quer dizer que Águeda não pára”, terminou.

Comentar