Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Agosto 25, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Três estreias na Riviera portuguesa

Três estreias na Riviera portuguesa
José Lagiosa

Emma Pallant, Lino Barruncho e os Iron Brothers portugueses

Vencedora do IRONMAN 70.3 de Barcelona em 2017 e 2018, duas vezes campeã do mundo de duatlo e campeã mundial de aquatlo em 2017, a britânica Emma Pallant confirmou a presença no IRONMAN 70.3 Portugal-Cascais com o objetivo de somar pontos para o acesso ao Campeonato do Mundo desta marca internacional de provas de triatlo.

É também este o objetivo de Lino Barruncho, treinador da Federação de Triatlo de Portugal há quase dez anos, e dos irmãos Miguel e Pedro Pinto, os Iron Brothers de Carnaxide. 

“Adorava qualificar-me para o Campeonato do Mundo 70.3 no próximo ano, mas acima de tudo quero ser aguerrida e alcançar a linha de meta sabendo que não podia ter dado mais”, confessa Emma Pallant, uma das melhores triatletas da atualidade e que, em 2017, conseguiu um segundo lugar nesta prova.

A britânica de 30 anos confessa-se entusiasmada com a estreia em Cascais.

“Será o meu primeiro triatlo em Portugal. Alguns atletas que treino vieram no ano passado e adoraram! Este ano, os pais do meu namorado também veem da África do Sul por isso será uma participação em família”,começa por dizer Emma Pallant para quem, em termos competitivos, o segmento de natação será o mais desafiante: “A natação representa sempre um desafio para mim mas gosto muito do percurso de ciclismo porque não é apenas plano e reto, tem subidas de que eu gosto e quando mais difíceis melhor para mim.”

Na lista de participantes portugueses está um nome reconhecido na modalidade.

Lino Barruncho

Depois de uma carreira bem-sucedida no duatlo, onde somou pódios – campeão do Mundo em 1996, “vice” em 2004 e vice-campeão europeu em 2002 e 2006 –, Lino Barruncho atualmente com 42 anos “abandona” os bastidores para regressar ao palco do triatlo, encarando a participação no IRONMAN 70.3 Portugal-Cascais como rampa de lançamento para voos mais altos. “Vou tentar qualificar-me no início de 2020 para experimentar o Havai em outubro desse ano e em 2021 ir novamente já para ganhar o meu age-group. Será sempre um projeto a dois anos, portanto em 2021 é o meu deadline!”

“Sou uma pessoa muito teimosa”, graceja o ex atleta profissional.

Parado há cerca de 8 anos após um atropelamento enquanto treinava de bicicleta e que lhe deixou mazelas graves, a força interior de Lino Barruncho fez renascer o atleta que sempre viveu em si. “Eu sempre tive o sonho de vencer no Campeonato do Mundo de IRONMAN, no Havai. Aliás, foi esta prova que me levou a ingressar no triatlo em 1992, tinha eu 17 anos, atraído pelos relatos de superação nas transmissões da Eurosport.”

Treinador da Federação de Triatlo de Portugal desde setembro de 2009, Barruncho está por trás dos recentes feitos de Melanie Santos, atualmente focada nos Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020, e já liderou personalidades do desporto atual como Vanessa Fernandes e João Pereira.

Para quem “a cabeça é que empurra as pernas”, os conhecimentos acumulados dentro e fora de prova serão um importante trunfo para Lino Barruncho, natural do Estoril. “Os percursos são bastante duros. Tirando a natação que é relativamente fácil por ser em mar sempre lisinho, o ciclismo e a corrida são bastante exigentes. O ciclismo quando chega ao Estoril, na zona do Autódromo ou na Serra de Sintra, torna-se duro. Estamos a falar de 950 metros de acumulado de subida em 90 quilómetros, é um percurso bastante exigente. E quem pensa que a marginal é plana, engana-se. São duas voltas com sobe e desce constante que, associado ao calor que se prevê em setembro, tornam a prova bastante dura.”

IRONMAN 70.3 Portugal-Cascais mais inclusivo

“Apesar da dureza de algumas secções dos percursos, que limitam uma participação mais abrangente de paratriatletas, tudo faremos para que esta experiência tão enriquecedora chegue cada vez mais a todos. Os Iron Brothers têm uma missão extraordinária pela frente, na vida e nos desafios desportivos que enfrentam. São um exemplo e nós IRONMAN cá estamos com todo o apoio para que esta participação se transforme num sucesso.” Jorge Pereira, diretor do IRONMAN Portugal, não esconde os desafios logísticos decorrentes desta participação mas partilha do entusiasmo de Miguel e Pedro Ferreira Pinto, os Iron Brothers de Carnaxide.

Iron Brothers de Carnaxide

“Como individual nunca poderia ser um grande atleta mas os dois juntos podemos fazer algo espetacular” acredita Miguel Pinto, 32 anos, o “Iron Brother número dois” pois o desafio partiu de Pedro Pinto e com um objetivo claro.

“Quero ajudar a minha escola, comprar carrinhas novas” esclarece o mais novo, portador de paralisia cerebral, e Miguel complementa: “Quando as pessoas ouvem falar em IRONMAN pensam logo em superatletas e em dificuldade extrema. E penso que quanto maior a dificuldade, maior a atenção que se consegue captar. Por isso, o objetivo é ajudar a Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa com novos equipamentos através do destaque conseguido com este projeto desportivo.”

“O IRONMAN de Cascais, com o apoio da família e amigos, vai ser a prova da nossa vida”, remata o advogado de 32 anos que, no ano passado, já experimentou sozinho a prova de Cascais.

Campeões de Portugal

Porque o esforço, a dedicação e a superação devem ser premiados, a organização do IRONMAN 70. Portugal-Cascais tem, desde o ano passado, um Troféu destinado a atletas de nacionalidade portuguesa.

Na terceira edição do evento serão distinguidos os portugueses melhor classificados em prova, quer em termos absolutos – incluindo atletas profissionais – quer em cada escalão etário.

Comentar