Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Julho 17, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Festival do Peixe do Rio em São Pedro do Esteval confirma potencialidade deste produto gastronómico

Festival do Peixe do Rio em São Pedro do Esteval confirma potencialidade deste produto gastronómico
José Lagiosa

O sucesso da segunda edição do Festival do Peixe do Rio, em São Pedro do Esteval, confirmou a potencialidade deste produto gastronómico que foi apresentado por seis associações desta freguesia do concelho de Proença-a-Nova aos muitos visitantes que procuraram degustar esta especialidade, com a matéria prima a vir diretamente do Rio Ocreza e Ribeira da Pracana.

Realizado este sábado, 6 de julho, o festival contou com diversos momentos em cartaz, para além dos passados à volta da mesa para degustar, por exemplo, peixe do rio frito ou sopas de peixe.

O dia começou cedo, com a realização do XIII Convívio de Pesca na Barragem da Pracana, com a presença de 22 pescadores, tendo o vencedor pescado 2.880 gramas de peixe, numa organização da Associação do Padrão.

 “A pesca esteve sempre associada a esta freguesia mais sul do concelho de Proença-a-Nova que tem forte ligação ao rio. Está aqui a génese dos melhores pescadores”, referiu João Lobo, presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova, no momento da entrega dos prémios.

Há um ano, na primeira edição deste festival, foi dado o arranque da Confraria dos Apreciadores do Peixe do Rio que tem como objetivo valorizar este recurso.

“O peixe do rio é um recurso que é importante e muitas vezes não lhe damos, eventualmente, valor, mas o incentivo é que ele gere riqueza, não só a riqueza que é a partilha que vocês tiveram no vosso convívio de pesca, mas também o complemento na cadeia de valor que poderá ser potenciado pela confraria”.

 João Lobo espera agora que este projeto seja uma realidade até ao final do ano.

Inauguração de uma pintura mural, estudada e executada por Silvia Mathys e Cavalheiro Cardoso

O segundo momento de destaque do Festival do Peixe do Rio englobou a a inauguração de uma pintura mural, estudada e executada por Silvia Mathys e Cavalheiro Cardoso no pavilhão de apoio junto ao polidesportivo, visível a partir da ER351, quando se atravessa São Pedro do Esteval.

Os elementos distintivos da freguesia são destacados, do património aos recursos endógenos, chamando a atenção, por um lado, a ponte romana sobre a ribeira da Pracana e, por outro, as oliveiras, os cereais, as cabras e as abelhas, não faltando a flor de esteva que deu nome à freguesia.

O presidente da Junta de Freguesia de São Pedro do Esteval, Paulo Cardoso, agradeceu ao Município pois foi através do projeto Eu Participo, do CLDS 3 G, que se proporcionou o mural, com os artistas “a materializar nesta parede tudo o que observaram, aquilo que são as nossas tradições, o nosso património e as nossas gentes. A quem passa por São Pedro do Esteval não passará despercebido, é uma obra fantástica e cabe agradecer a vocês que o tornaram possível”, afirmou.

João Lobo referiu agora que este mural irá ser incluído no roteiro das artes “que atravessa o território, as freguesias e as localidades do concelho”, sendo que Silvia Mathys e Cavalheiro Cardoso são já responsáveis por outros dois murais, um em Proença-a-Nova e outro em Sobreira Formosa.

Os dois artistas recordaram os bons momentos passados durante a execução do mural e o carinho com que foram recebidos.

Atelier de cultura e gastronomia dinamizado pelo chef Rodrigo Castelo

O Festival do Peixe do Rio teve ainda dois momentos integrados no projeto Beira Baixa Cultural, cofinanciado no âmbito do Centro 2020, Portugal 2020 e Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional da União Europeia: um atelier de cultura e gastronomia dinamizado pelo chef Rodrigo Castelo e o Festival das Artes da Beira Baixa, com atuação de Rui Alves.

No atelier, Rodrigo Castelo convidou os presentes a prepararem uma entrada com ovas de barbo e arroz com lombos de carpa, aromatizado com coentros e hortelã.

A atuação de Rui Alves colocou os presentes a dançar ao som da sua concertina.

Durante a tarde, foi o “Grupo de Concertinas da Sarzedinha e Montelhado – Amigos da Académica” a animar o recinto.

O Festival do Peixe do Rio terminou no domingo, 7 de julho, com o II Convívio do Grupo de Malha da Associação Estevelense que contou com a presença de 35 equipas.

Comentar