Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Janeiro 21, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

História e tradição engarrafadas no novo Lavandeira Avesso Escolha 2018

História e tradição engarrafadas no novo  Lavandeira Avesso Escolha 2018
José Lagiosa

Nascido em pleno Douro, na região demarcada dos vinhos verdes, o projeto integrado da Casa da Lavand’eira apresenta o Lavandeira Avesso Escolha 2018, um vinho cheio de história.

E uma história que merece ser contada.

Foi nesta propriedade, datada do século XIX, que nasceu este projeto pessoal e familiar, que traduz a concretização de um sonho do atual proprietário, Carlos Gomes que, tendo as suas raízes em Baião, pelo lado dos pais e avós, viu na Casa da Lavand’eira as condições ideais para desenvolver este projeto de turismo rural e enoturismo.

Avesso 2018

É neste cenário idílico, testemunhado pela arquitetura românica deste solar, que a Casa da Lavand’eira propõe uma caminhada através dos séculos, numa região que teve um intenso papel na História da nobreza e das ordens religiosas em Portugal. 

A Casa da Lavand’eira, propriedade com mais de 14 hectares, é um projeto integrado caracterizado pela proximidade com a natureza e pela preservação da biodiversidade. Inclui alojamento turístico, realização de eventos e produção vinícola do Vinho Lavandeira.

“Sendo desde sempre um admirador da casta avesso, o objetivo é melhorar cada vez mais o vinho da Casa da Lavand´eira, tornando-o uma referência nacional”, afirma Carlos Gomes.

O Lavandeira Avesso Escolha 2018 é um monocasta de aroma elegante, com boa intensidade, no qual se destacam as ervas aromáticas (tomilho limão), frutos citrinos, os frutos de polpa branca (pêssego) e ligeiras notas florais.

De paladar seco, com uma acidez fina e equilibrada, que confere ao vinho uma excelente frescura, tem um bom aroma de boca.

É sem dúvida um vinho com personalidade.

Desenvolvido pelo enólogo Rui Cunha, é um vinho de vindima manual, com ligeiro esmagamento dos bagos, seguido de suave prensagem, clarificação estática, e fermentação com temperatura controlada em cuba de inox, seguida de estágio sobre borras finas, com ligeira filtração antes do engarrafamento.

“Entre o abrir duma garrafa do vinho Lavandeira e o terminar do primeiro copo, viajamos de 1871 ao presente – pelas colinas desta quinta, numa travessia de sabores, aromas e lugares” – afirma o enólogo. 

Sabores a provar, aromas a saborear, e lugares a visitar, a apenas uma hora da cidade do Porto, num lugar onde a tradição secular remonta às linhas escritas por Eça de Queiroz no seu romance “A Cidade e as Serras”. Um vinho de pessoas e emoções, memórias e gerações.

Um vinho que faz parte de todas as Histórias!

Comentar