Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Abril 4, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

João Morgado visita casa de Saramago em Lanzarote

João Morgado visita casa de Saramago em Lanzarote
José Lagiosa

Quando se assinalaram nove anos da morte de José Saramago, o único Nobel de literatura em língua portuguesa, 18 de Junho, o João Morgado esteve na sua casa, na ilha de Lanzarote, onde o romancista viveu os últimos 18 anos de vida. “Blimunda”, assim se chama a casa, como a visionária personagem do “Memorial do Convento”.


“Como escritor senti uma emoção especial ao partilhar o universo pessoal onde Saramago criava as suas obras. Tocar no teclado do computador onde escreveu “Ensaio da Cegueira”, entre outras obras, é mais do que tocar num teclado, é um gesto de intimidade com o autor…” – refere João Morgado.

“Poder vaguear na sua biblioteca, no seu escritório, ver os seus livros, os seus objectos pessoais, ajuda-nos a compreender melhor o autor e até o rumo da sua obra. Ele disse que o seu estilo de escrita se alterou desde que foi viver para Lanzarote. Agora, estando cá, compreendo-o melhor, a ilha de Lanzarote, negra, vulcânica, tem uma personalidade própria. Esta paisagem tem que influenciar quem cá mora…!”

João Morgado


A casa é gerida pela Fundação José Saramago que procura preservar e difundir toda a obra do Nobel.

A obra é indissociável da sua vivência, do seu mundo, do seu entorno, da casa onde vivia, criava, recebia amigos e outros criadores. 

“Conhecer os seus quadros, as suas colecções de cristos, ou de cavalos, a manta que punha nos joelhos quando escrevia, tudo isso reflecte o homem em si. A sua enorme biblioteca, a cadeira do jardim negro onde contemplava a paisagem ao fim do dia, tudo isso ajuda a compreender Saramago, o seu refúgio, até a sua forma de olhar a ibéria e o mundo”, sublinha João Morgado. 

“Mas quando tomei café português na sua cozinha, vi os guardanapos bordados e os imans com fotos na porta do frigorífico, percebi que aquela era uma embaixada portuguesa”.


João Morgado visitou ainda a ilha de Lanzarote, a mais oriental do arquipélago das Canárias, formada por vulcões adormecidos, percorrendo o Parque Nacional de Timanfaya. 

“Uma  experiência impactante. Uma viagem no tempo, que nos permite entrar dentro das crateras e andar por entre os rios de lava solidificados, negros, mas que parecem ainda em ebulição”.

Comentar