Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Setembro 19, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

169º Passeio Pedestre recorda as histórias fantásticas do concelho de Proença-a-Nova

169º Passeio Pedestre recorda as histórias fantásticas do concelho de Proença-a-Nova
José Lagiosa

Percorrer os trilhos das bruxas e dos lobisomens numa sexta-feira 13 à noite é o mote do 169º Passeio Pedestre que acontecerá a 13 de setembro, organizado pelo Município de Proença-a-Nova.

As estórias fantásticas e misteriosas que alimentaram durante décadas o imaginário das pessoas sustentado pelo medo, pelo mistério e pela tradição fizeram durante anos parte da cultura das aldeias e serviram de inspiração para este passeio noturno, cujo objetivo é compreender e preservar estas estórias que marcam a identidade do povo.

Ao longo do percurso, de aproximadamente 6 km e que liga o Cabeço do Moinho à Maljoga, os participantes serão surpreendidos por esconjuros, lobisomens, bruxas, demónios, figuras do além protagonizados pelo Grupo de Teatro Váatão que irão representar as situações bizarras e as aparições sobrenaturais que resultavam de perceções distorcidas de fenómenos naturais, alucinações devido ao cansaço extremo da vida do campo ou falta de alimentação suficiente, da falta de energia elétrica, já que aconteciam na sua maioria durante a noite em que as pessoas andavam a pé.

A incidência de uma luz sobre uma superfície refletora, escutar vozes a partir de uma rajada de vento são alguns exemplos que davam origem a histórias do além.

O ponto de encontro está marcado para as 20h00 junto à biblioteca municipal e aconselha-se roupa e calçado confortável, lanterna e caneca.

 As inscrições para esta atividade, inserida na programação do projeto Beira Baixa Cultural, estão a decorrer no Posto de Turismo até dia 11.

Esta atividade enquadra-se no projeto Beira Baixa Cultural – cofinanciado no âmbito do Centro 2020, Portugal 2020 e Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional da União Europeia, promovido pela Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa (CIMBB).

Comentar