20.6 C
Castelo Branco
Sábado, Setembro 26, 2020
No menu items!
Início Internacional Pela defesa dos nossos rios: é urgente renegociar com Espanha defende o...

Pela defesa dos nossos rios: é urgente renegociar com Espanha defende o LIVRE

A revisão da Convenção de Albufeira foi incluída no Programa do Governo por sugestão do LIVRE. Urge agora que Portugal entre rapidamente em negociações com o novo governo espanhol

A Convenção de Albufeira é o acordo bilateral entre Portugal e Espanha que regula desde 2000 a gestão conjunta das bacias hidrográficas dos rios Minho, Lima, Tejo, Douro e Guadiana.

Esta convenção está desatualizada e não tem em conta os efeitos das alterações climáticas, que sabemos hoje que poderão ser muito mais gravosas do que o estimado há 20 anos, nomeadamente o risco de inundações graves ou de escassez extrema de água.

A escassez de água nos rios em Portugal tem, aliás, vindo a ser denunciada por cidadãos e associações ambientais.

Foram identificadas pelos dois países, por técnicos desta área e pelos cidadãos, através de associações ambientais, várias situações que podem ser resolvidas com uma renegociação estrutural da Convenção de Albufeira, que vincule os dois países a uma cooperação para maior resiliência face aos impactos das alterações climáticas sobre os nossos rios partilhados e melhoria qualitativa dos mesmos.

Por ser tão relevante esta gestão conjunta dos rios ibéricos, o LIVRE conseguiu que a revisão da Convenção de Albufeira fosse incluída no Programa do Governo.

“Lutaremos agora para que esta medida avance o mais depressa possívele para que esta revisão tenha em conta não apenas uma gestão de caudais, mas também o reforço dos aspetos ecológicos e de transparência, através de medidas como:

  • um novo regime de caudais que garanta uma distribuição mais homogénea e equilibrada do caudal integral mínimo estabelecido. Isto permite que seja possível por exemplo manter o caudal mínimo anual ou trimestral mas precaver situações de passagem muito irregular de água, com o estabelecimento de caudais ecológicos contínuos e medidos em m3/segundo que sejam regulares e distribuídos sazonalmente ao longo do ano
  • o estabelecimento dos caudais ecológicos que permitam assegurar a conservação e proteção dos ecossistema
  • o reforço e atualização da rede de estações hidrométricas em ambos os países, especialmente Portugal, de forma a existir mais rigor e acabar com situações de ausência ou insuficiência de recolha de dados ou com as discrepâncias entre os valores medidos em cada um dos lados da fronteira. Apenas uma monitorização harmonizada e transparente da informação poderá servir de base a decisões rigorosas na gestão da água
  • estender a monitorização e regulação também a aspetos qualitativos dos rios, através de parâmetros mínimos de qualidade da água tanto na entrada do rio em Portugal como à sua saída na foz, ficando Portugal vinculado a pelo menos manter ao longo dos rios a qualidade com que recebe a água, uma medida com amplos benefícios para além do âmbito da Convenção
  • a reativação de todos os Grupos de Trabalho da Convenção de Albufeira, que estão atualmente parados
  • a disponibilização no site da Convenção de Albufeira, de forma transparente e diária, dos dados relativos a todos os rios e da informação produzida pelos Grupos de Trabalho. Sem transparência na transmissão de dados e de informação não há possibilidade de um acompanhamento científico e público que avalie o desempenho desta gestão conjunta dos rios
  • a instituição de  um regime arbitral e sancionatório por não cumprimento de condições negociadas na Convenção, que preveja compensações e correções a adotar pelos países infratores. A União Europeia pode ser chamada a assumir este papel arbitral independente, e vincular as decisões sobre eventuais incumprimentos à deliberação do Tribunal de Justiça da União Europeia”, salienta o partido em comunicado.

Face ao senormes desafios que enfrenta a Península Ibérica nos vários cenários para os impactos das alterações climáticas, urge que Portugal entre rapidamente em negociações com o novo governo espanhol que irá emergir das eleições do próximo dia 10 de Novembro para reforçar a cooperação e justiça na gestão quantitativa e qualitativa das bacias hidrográficas partilhadas pelos dois países.

Pela defesa dos nossos rios!

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

Candidaturas em Oleiros para Bolsas de Estudo até 15 de Outubro

Estão abertas as candidaturas para bolsas de estudo no ensino superior. Os pedidos devem ser entregues no Gabinete de...

Síndrome do ovário poliquístico pode causar infertilidade e afeta 10 a 15% das mulheres

Mês de consciencialização para a síndrome do ovário poliquístico A síndrome do ovário poliquístico (SOP) é uma doença...

ICNAS designado Centro Colaborador da Agência Internacional de Energia Atómica

O Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde (ICNAS) da Universidade de Coimbra (UC) foi designado Centro Colaborador da Agência Internacional de...

Sessões regulares de cinema regressam em outubro à Casa de Artes

As sessões regulares de cinema regressam à Casa de Artes e Cultura do Tejo, em Vila Velha de Ródão, em outubro, com...

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: