Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Fevereiro 17, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Ministra da Coesão Territorial junta a sua voz à defesa da ESGIN

Ministra da Coesão Territorial junta a sua voz à defesa da ESGIN
José Lagiosa

A Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, visitou no dia 17 de dezembro Idanha-a-Nova, acompanhada da secretária de Estado da Valorização do Interior, Isabel Ferreira, e expressou o seu apoio à permanência da Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova (ESGIN) no concelho raiano, no âmbito da reestruturação do Instituto Politécnico de Castelo Branco.

A defesa da manutenção da sede da ESGIN em Idanha-a-Nova ganhou assim um importante apoio governamental: “A ESGIN é uma escola que me habituei a ver como uma referência para Idanha e para a região”, referiu a Ministra, “e sei que o Instituto Politécnico de Castelo Branco encontrará uma solução [no seu processo de reestruturação] que acautele os receios de Idanha e mantenha aqui a ESGIN”.

Ana Abrunhosa sublinhou que “não tendo a tutela dos politécnicos, considero que nas regiões do Interior os politécnicos têm um papel fundamental para a coesão territorial, por toda a dinâmica que geram, pelo apoio que dão às empresas, pela criação de emprego e pela formação e fixação de jovens”.

Já dentro do edifício, na cerimónia de receção, Ana Abrunhosa ouviu o presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto, garantir que a autarquia“permanece disponível, como sempre esteve, para continuar a apoiar o IPCB a manter a sede da ESGIN em Idanha-a-Nova, com Autonomia Administrativa, Científica e Pedagógica, e com Autonomia Financeira e custos de funcionamento sustentáveis, continuando assim a cumprir a sua missão de desenvolvimento da região e de um país mais equilibrado”.

O autarca explicou que “hoje como quando se instalou o polo da ESTIG em Idanha-a-Nova, há 28 anos, a Câmara de Idanha-a-Nova continua a colaborar e a ser mecenas, facultando o apoio na manutenção das instalações, no pagamento de despesas correntes (água, luz, etc.), de especialistas professores, de catering, na disponibilização de transportes regulares entre Castelo Branco e Idanha-a-Nova, na construção e disponibilização de novas infraestruturas e o seu funcionamento para aulas, como o Monsanto Geo-Hotel Escola, o Restaurante Pedagógico da Sra. Da Graça e o Pavilhão da Feira Raiana”.

Armindo Jacinto lembrou ainda que “a autarquia apoia ainda no pagamento de 50% das propinas dos alunos da ESGIN e no pagamento de outras despesas, tais como serviços de segurança e vigilância na Residência de Estudantes e na sua manutenção, valores estes que em média ascenderam, nos últimos seis anos, a 250 mil euros/ano, que conjuntamente com o investimento feito, neste período, ascendeu a 2,5 milhões de euros”.

Câmara vai investir mais 3 Milhões de Euros na ESGIN

“Ainda está projetado no decurso do próximo ano a reabilitação urbana de 200 camas para estudantes, em Idanha-a-Nova, no âmbito de um protocolo celebrado com a Fundiestamo; a aquisição de 70 computadores para renovar o parque informático da ESGIN; a reabilitação do edifício da ESGIN, projeto integrado no pacto da CIMBB para a eficiência energética, numa candidatura já apresentada ao Centro 2020; a instalação de novas cozinhas, associadas ao CoLab Idanha FoodLab, para apoiar novos cursos nas áreas da Gestão Hoteleira, inovadores e diferenciadores; a abertura do espaço da Discoteca para os alunos da ESGIN e jovens de Idanha terem um local de convívio e lazer nesta vila raiana, minimizando os riscos dasegurança rodoviária; e outros investimentos associados”, adiantou Armindo Jacinto.

No total, a Câmara de Idanha-a-Novaperspetiva fazer um investimento de cerca de mais 3 milhões de euros em despesas correntes e de investimento, nos próximos anos.

Por tudo isto, Armindo Jacinto não tem quaisquer dúvidas: “na verdade, a Câmara de Idanha-a-Nova tem sido mecenas do IPCB e de todas as suas escolas, e não apenas da ESGIN, porque a poupança que esta escola gera com a comparticipação anual média reflete-se na contabilidade geral do IPCB e de todas as suas unidades orgânicas. Mais: quando na gestão da ESGIN e das outras escolas a contabilidade era analítica e correspondia a cada escola, a ESGIN gerava poupanças que foram transferidas para outras escolas”.

Armindo Jacinto terminou a sua intervenção agradecendo o apoio que a Ministra da Coesão Territorial “decidiu dar à luta para manter a nossa ESGIN em Idanha, com todas as suas competências e autonomias”.

Em seguida, o Movimento pela autonomia da ESGIN e o Movimento dos Ex-Alunos da ESGIN entregaram, em mão, à governante uma carta contra o inaceitável encerramento da ESGIN.

Comentar