Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Julho 4, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Fernando Raposo garante que “não basta dizer que se é socialista”

Fernando Raposo garante que “não basta dizer que se é socialista”
José Lagiosa

Fernando Raposo, um histórico do Partido Socialista (PS), apresentou na última segunda feira, ao final da tarde, a sua candidatura à presidência da Comissão Política Concelhia do Partido Socialista em Castelo Branco.

Com uma militância conhecida de todos, Valter Lemos, mandatário da candidatura de Fernando Raposo, afirmou “honra-me muito poder representar esta lista”.

Muito crítico em relação ao decorrer do processo, o agora mandatário, afirma “temos sido objeto de atuações pouco próprias”, referindo-se à estrutura distrital do PS, para acrescentar “tentando limitar a apresentação [da lista] de uma forma livre”.

Por seu lado, o candidato à presidência da estrutura concelhia do PS, Fernando Raposo, agradeceu inicialmente “a todos os presentes e em particular aos que integram a lista, de uma forma livre e consciente, apesar da coação de quem que seja”.

De seguida, Fernando Raposo, passou “ao ataque” afirmando que o partido “resume-se hoje, a uma só pessoa, o presidente da Câmara”.

“Queremos que os militantes voltem a participar na vida do partido, discutindo as temáticas e os assuntos, quer do partido quer da sociedade albicastrense”, continuou.

Chegados aqui, Fernando Raposo vai ainda mais longe ao dizer que “não basta dizer que se é socialista. Ser socialista é interiorizarmos os valores e os princípios fundadores do Partido socialista”.

“E quando temos a oportunidade de exercer o poder, agirmos em conformidade com estes valores, por isso não é socialista quem quer. É socialista aquele que interioriza os valores e que age no dia a aia, implementando esses valores e de acordo com esses valores”. reitera o candidato numa clara alusão ao poder instalado.

Valter Lemos retomou, novamente, a palavra, para expor a falta de democracia interna e a violação do regulamento eleitoral, por parte da distrital, “desde deliberações sem quórum até à violação de decisões da Comissão de Jurisdição Distrital, nomeadamente sobre a ilegalidade praticada, no aumento do número de membros da CPC de 31 para 39 membros, cuja decisão foi à queixa da candidatura”.

O mandatário garantiu que apesar das contrariedades e obstáculos de toda a ordem, “esta lista vai a eleições”.

“Garantiremos democraticamente e legalmente a ida a votos”, reafirmou Valter Lemos.

Questionado pelos jornalistas, Fernando Raposo, teve ainda oportunidade para esclarecer que “se eu fosse o presidente [da Câmara Municipal], condenado em 1ª instância, tinha suspendido o mandato”.

Comentar