Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Maio 27, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Primeiro ano do novo regime de comparticipação dos tratamentos termais com balanço positivo

Primeiro ano do novo regime de comparticipação dos tratamentos termais com balanço positivo
José Lagiosa
  • Volume de negócios no termalismo terapêutico cresceu 15% em 2019
  • Regresso das comparticipações do SNS foi decisivo, considera a Associação das Termas de Portugal

O novo regime de comparticipação do Estado nos tratamentos termais resultou num ano de grande crescimento para a atividade terapêutica das Termas em Portugal.

Esta é uma conclusão que se retira da avaliação preliminar ao primeiro ano em que a comparticipação voltou a ser possível.

Os tratamentos termais prescritos nos cuidados de saúde primários do Serviço Nacional de Saúde (SNS) voltaram a ser comparticipados em 2019, ao abrigo de um diploma legal (Portaria nº 337-C/2018) publicado no último ano de 2018.

O valor da comparticipação paga pelo Estado é de 35% do preço do conjunto de tratamentos, tendo como limite 95 euros por utente.

Desta forma, o Estado retomou o financiamento dos tratamentos realizados nas Termas, que estava suspenso desde 2011.

O balanço é claramente positivo, com a medida a ter um forte impacto na atividade terapêutica das várias estâncias termais.

“O ano de 2019 foi o primeiro ano, desde 2010, em que se verificou o crescimento do número de termalistas e do volume de negócios no segmento do termalismo terapêutico. É um crescimento significativo, na ordem dos 15% em ambos os indicadores”, sublinha Victor Leal, presidente da Associação das Termas de Portugal.

Tratamentos termais

“Recordo que 2010 foi último ano completo em que o anterior sistema de comparticipações dos tratamentos termais esteve em vigor. Após oito anos sempre em decréscimo, o retomar das comparticipações em 2019 provocou um impacto muito importante nesta atividade. Este é, inequivocamente, um indicador do sucesso deste modelo, e que contribui decisivamente para o tratamento e prevenção de patologias crónicas, objetivo do Plano Nacional de Saúde Revisão Extensão a 2020”, acrescenta o mesmo responsável.

Projeto-piloto começou com atraso mas atingiu as expetativas

O novo regime de comparticipação do SNS assumiu a forma de projeto-piloto em 2019, sendo atualmente objeto de avaliação dos resultados alcançados.

Apesar de o balanço ser claramente positivo, a Associação das Termas de Portugal lamenta o atraso que se verificou na implementação do projeto-piloto, o que limitou a sua ação.

“Apesar de a Portaria estabelecer o prazo máximo de 90 dias para que estivessem criadas todas as condições para a plena implementação do projeto-piloto, tal não se verificou. O que supostamente seria a implementação do projeto-piloto, com total cobertura nacional, durante 9 meses, na realidade apenas foi integralmente implementado entre julho e dezembro – ou seja, durante seis meses”, refere Victor Leal.

Ainda assim, o plafond de 600.000 euros atribuído ao projeto-piloto foi totalmente utilizado, de acordo com esta avaliação preliminar.

“Aguardamos dados estatísticos atualizados, mas estimamos que tenham sido emitidas 7.500 prescrições de tratamentos termais pelo SNS. Verificamos que o plafond foi esgotado em apenas 6 meses de total implementação do projeto-piloto. Por um lado, este facto, por si só, é indicador do sucesso desta medida. Por outro lado, indicia também que o plafond fixado era manifestamente insuficiente”, considera o presidente da Associação das Termas de Portugal.

“Os médicos dos cuidados de saúde primários reconhecem os efeitos do termalismo e em 2019 voltaram a poder, finalmente, prescrever termas no âmbito do SNS.O elevado número de prescrições comprova o sucesso e a necessidade desta medida! É da mais elementar justiça que os tratamentos prestados por médicos e profissionais de saúde qualificados sejam reconhecidos pelo Governo, através da continuidade das comparticipações”, conclui Victor Leal.

Comentar