26.1 C
Castelo Branco
Quinta-feira, Setembro 16, 2021
No menu items!
InícioInternacionalA Organização Mundial da Saúde (OMS) sugere andar de bicicleta durante...

A Organização Mundial da Saúde (OMS) sugere andar de bicicleta durante o surto de COVID-19

A Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou recentemente uma orientação técnica, onde cita:

”Enquanto as cidades do mundo estão a introduzir uma ampla gama de medidas para limitar os contactos físicos para prevenir e retardar a pandemia do COVID-19, muitas pessoas têm necessidade de se deslocar para chegarem aos seus locais de trabalho, atender às necessidades diárias essenciais ou prestar assistência a pessoas vulneráveis” e continua:


Sempre que possível, considere andar de bicicleta ou caminhar: isso proporciona distanciamento físico ao mesmo tempo em que ajuda a cumprir o requisito mínimo para a atividade física diária, que pode ser mais difícil devido ao aumento do teletrabalho e acesso limitado ao desporto e outras atividades recreativas”.

As cidades por todo o mundo estão a usar as suas ruas para peões e ciclistas.

Novas ciclovias temporárias estão surgindo.

Por exemplo, em Berlim várias ruas têm novas e largas ciclovias que são criadas a partir de espaços geralmente destinados a veículos motorizados.

Bogotá transformou 100km de ruas de tráfego automóvel em ciclovias de emergência, usando cones temporários e as autoridades da cidade de Budapeste planearam uma rede de ciclismo nas principais vias.

Em Bruxelas, todo o centro histórico da cidade será uma zona de 20km/h com prioridade para peões e ciclistas: o conceito de priorização no quadro de mobilidade urbana está, portanto, a ganhar força durante este momento muito difícil devido ao COVID-19.


Paris e Madrid estão a preparar uma estratégia de longo prazo e a analisar como apoiar as bicicletas como o primeiro meio de transporte, após a remoção das medidas de bloqueio.

O ambientalista Pierre Serne, ex-vice-presidente de transportes da região de Île-de-France, num artigo recente afirmou ” Em maio próximo, poderíamos ver avenidas inteiras onde os veículos a motor seriam provisoriamente proibidos em favor da bicicleta”.

As lojas de bicicletas reabriram na Áustria a 14 de abril e na Alemanha a 20 de abril, enquanto em outros países as lojas de conserto e manutenção de bicicletas continuaram disponíveis, como na Dinamarca, Países Baixos e Reino Unido.

A esse respeito, encontra (ver abaixo) o recente comunicado de imprensa conjunto CONEBI – ECF, apoiado por membros do Parlamento Europeu, pedindo aos governos da UE e autoridades locais que apoiem o Ciclismo.

Por último, mas não menos importante, o COVID-19 está a ter repercussões económicas consideráveis na indústria da bicicleta e,portanto, a CONEBI está em contacto regular com as Instituições Europeias para discutir o apoio imediato: vários programas da UE foram apresentados nas últimas semanas pela Comissão Europeia, mas têm de ser facilmente acessíveis para as empresas, evitando a burocracia e capacitando o ecossistema da bicicleta a estar na vanguarda da tão necessária ”Revolução Verde”.

Declaração Pública: COVID-19, Oficinas de Reparação de Bicicletas

O CONEBI e a ECF exortam todos os Estados-Membros da UE a permitir que os serviços de reparação de bicicletas continuem em funcionamento durante a crise do COVID-19, desde que sejam respeitadas todas as precauções de saúde necessárias.

A Confederação da Indústria Europeia de Bicicleta CONEBI e a Federação Europeia de Ciclistas (ECF), representando utilizadores de bicicleta em todos os Estados-Membros da UE, acreditam que, no contexto forte da disseminação do COVID-19 na Europa, o uso de bicicletas e bicicletas  electricas (e-bikes) sempre com total respeito pelas regras oficiais de proteção à saúde pública, devem ser incentivadas.

MortenKabell, co-Presidente da ECF, afirma: “Nas bicicletas, as pessoas mantêm a distância necessária para evitar infecções. As pessoas são também muito menos propensas a tocar e, objetos potencialmente contaminados no espaço público. Para minimizar o risco de infeção, o ministro federal da saúde da Alemanha, JensSpahn, mencionou o ciclismo como uma das suas recomendações à população. Numa nota mais geral, a atividade física regular, como andar de bicicleta, ajuda a manter o sistema cardiovascular e os pulmões saudáveis, prevenindo doenças e protegendo o organismo de infecções. Portanto, é importante que as pessoas possam continuar a pedalar durante a crise e possam encontrar ajuda, caso precisem consertar a sua bicicleta.”

Felizmente, na maioria dos Estados-Membro da UE, a prática continuada de andar de bicicleta para as deslocações necessárias, como ir trabalhar ou fazer compras, é protegida, porque as oficinas de reparação de bicicletas podem continuar as suas operações, mesmo sob as rígidas regras de “bloqueio”.

No entanto, em alguns Estados-Membro, as oficinas de reparação de bicicletas não estão impedidas de funcionar, mesmo quando poderiam fazê-lo e dessa forma a minimizar os riscos de infecção.

Segundo Manuel Marsilio, Diretor Geral da CONEBI: “As oficinas de reparação de bicicletas fornecem um serviço básico à população e permitem que a mobilidade minimizadora de riscos continue onde for mais necessária. Portanto, acho que deveriam permanecer abertas durante esses tempos difíceis, sendo claro que terão que operar de formas que protejam a saúde de funcionários e clientes.”

Os eurodeputados do Grupo S&D Alessandra Moretti (Itália, Comissão de Saúde e Ambiente ENVI) e Ismail Ertug (Alemanha, Comissão de Transportes TRAN) reiteram esta posição:

“Antes de mais, gostaríamos de dizer que estamos profundamente solidários com todos aqueles que contraíram o vírus e suas famílias. Queremos estar próximos deles e admiramos o trabalho de médicos e enfermeiros em toda a Europa que estão a desenvolver uma acção meritória e corajosa de importância vital para a saúde pública de milhões de cidadãos europeus.”

“Sempre respeitando as diferentes leis nacionais relativas a deslocações nos Estados-Membro da União Europeia, acreditamos que a mobilidade para o trabalho e motivada por necessidade comprovada deve ser tratada, sempre que possível, de forma a permitir maior distanciamento social, promovendo o caminhar e o andar de bicicleta, realçando que o transporte público apresenta  riscos adicionais. Por esse motivo, as oficinas de reparação de bicicletas, com as devidas precauções de saúde necessárias e adequadas, devem poder permanecer abertas, para permitir que todos se desloquem com segurança, favorecendo assim um menor risco de infeção”.

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: