Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Junho 1, 2020

Ir para o Topo

Topo

Um Comentário

ALIANÇA Castelo Branco questiona decisões díspares para funerais e comemorações

ALIANÇA Castelo Branco questiona decisões díspares para funerais e comemorações
José Lagiosa

Atendendo ao actual momento de excepção que vivemos, em que a todos os portugueses é pedido isolamento social, a Direcção Política Distrital da Aliança Castelo Branco considera que a abertura a comemorações que contrariam as regras estabelecidas para o bem-estar da comunidade são um mau exemplo de cidadania.

Não obstante, consideramos inaceitável a excepção prevista na lei para as comemorações do 1º de Maio, pondo em risco os procedimentos de segurança do bem-estar da comunidade, bem como o mau exemplo dado pela Assembleia da República para as comemorações do 25 de Abril.”

Podemos e devemos comemorar estas datas, o que não aceitamos é a forma, nem tão pouco a sua excepcionalidade quando e ao mesmo tempo as pessoas estão impedidas de acompanhar e realizar o seu luto em funerais dos seus familiares”, refere Ana Camilo.

Declara ainda, que relativamente aos funerais o governo deixou ao critério das autarquias o número máximo de pessoas que podem assistir e homenagear presencialmente os seus familiares, pelo que “não é compreensível haver autarquias em que nada foi definido e outras que estabeleceram números tão dispares como por exemplo no nosso distrito, Castelo Branco estabeleceu como máximo 3 pessoas por funeral, Penamacor 10, Proença-a-Nova 15 e Belmonte 20”, atendendo a toda esta situação é inaceitável e incompreensível que o governo adopte medidas de excepção para comemorações que em nada beneficiam o bem-estar da comunidade como um todo.

“Como é que se explica a alguém que não pode estar presente no funeral de um familiar próximo, mas pode participar nas comemorações do 1º de Maio, ou que a Assembleia da República se vai encher para a comemoração do 25 de Abril?”, concluiu Ana Camilo.

Comentários

  1. afonso paes

    Eles querem justificar um pico no mês de Maio, por isso as festas

Comentar