Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Junho 1, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

CEIIA e DESAER anunciam acordo para desenvolver, industrializar e comercializar aeronave de transporte leve

CEIIA e DESAER anunciam acordo para desenvolver, industrializar e comercializar aeronave de transporte leve
José Lagiosa

O CEIIA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto (que concebe, desenvolve, protótipo e opera produtos e serviços inovadores nas indústrias da mobilidade, designadamente aeronáutica, automóvel e oceanos), e a DESAER – DESENVOLVIMENTO AERONÁUTICO, empresa brasileira especializada no desenvolvimento de aeronaves de diversas tipologias, firmaram um Acordo de Joint-Venture para o desenvolvimento, industrialização e comercialização de uma aeronave de transporte leve.

O ATL-100 é uma aeronave de uso civil e militar, com configurações para o transporte de passageiros (até 19 pax.) e para carga (2,5 ton.), com o objetivo de endereçar as necessidades de transporte regional em áreas já adensadas e nas regiões mais remotas, necessitando de pouco apoio de infraestrutura no solo e possibilidade de aterrar em pistas curtas e não pavimentadas.

A fase de desenvolvimento do projeto, agora com decisiva participação do CEIIA, será executada em 3 anos, seguida das fases de industrialização e comercialização.

Em todas as fases, o projeto vai ser executado por profissionais portugueses e brasileiros em infraestruturas localizadas em Portugal e no Brasil.

O desenvolvimento do ATL-100 terá como alicerce o foco na sustentabilidade, não só pela aplicação de tecnologias menos poluentes em seus componentes, mas, também, pela perspectiva de utilização, no futuro, de novas tecnologias como motores elétricos, etc. 

O CEIIA e a DESAER entendem que esta parceria, que agrega competências complementares do setor aeroespacial de Portugal e do Brasil, além de ser um importante projeto de inovação tecnológica e de criação de renda e emprego em ambos os países, surge com especial relevância agora como um contra-ataque aos efeitos danosos sobre a economia mundial causados pela crise da Covid-19.

Comentar