24.9 C
Castelo Branco
Segunda-feira, Junho 14, 2021
No menu items!
InícioRegionalFoi eleita uma nova Comissão Coordenadora Distrital de Castelo Branco do Bloco...

Foi eleita uma nova Comissão Coordenadora Distrital de Castelo Branco do Bloco de Esquerda

A Comissão Coordenadora Distrital (CCD) de Castelo Branco do Bloco de Esquerda foi eleita no passado dia 27 de junho, com a lista encabeçada pela Cristina Guedes e o Edgar Reis (dos núcleos concelhios do Fundão e da Covilhã, respetivamente).

A CCD eleita assume o compromisso com as cidadãs e os cidadãos de Castelo Branco na defesa dos interesses locais e numa política de esquerda progressista.

Esta CCD irá ter uma atuação de âmbito interno na promoção e valorização de cada núcleo apostando na proximidade de todas e todos.

Como membros efetivos seguem-se a Sónia Reis (Fundão), Pedro Filipe (Fundão), Isabel Almeida (Covilhã), Carlos Motaco (Fundão) e Florinda Guedes (Castelo Branco).

Os membros suplentes são Nuno Pinto (Covilhã), João Amoreira (Fundão), Cíntia Costa (Covilhã), Hélder Morais (Covilhã), Núria Guedes (Fundão) e António Fiúza (Fundão).

A moção que sustentou a candidatura, denominada “Por um distrito mais participativo”, vai apoiar-se em dois eixos: A organização interna e a política distrital. 

No âmbito da organização interna, a CCD vai adotar medidas de transparência entre a CCD e os núcleos concelhios na divulgação de informações, definição de atividades e envolvimento distrital.

Privilegiando sempre a autonomia do trabalho de cada núcleo. Para além disto, a CCD quer promover a dinamização das sedes existentes no distrito, como a do Fundão, Covilhã e Castelo Branco.

A continuidade na implementação de uma política distrital de “Contas Certas” com a gestão cuidada do património financeiro. 

Como prioridade, a CCD coloca o início atempado da preparação das eleições autárquicas, apoiando os núcleos concelhios na definição de estratégias programáticas, bem como na definição de perfis para as candidaturas. 

No âmbito da política distrital, a CCD quer promover a realização de um fórum autárquico, realizar iniciativas em conjunto com entidades da sociedade civil sobre temas como LGBTI, legalização da canábis, racismo, morte legalmente assistida, entre outras. 

O caminho da CCD eleita será debater a descentralização existente, lutar pela abertura dos serviços públicos encerrados, defender a abolição total das portagens na A25 e A23, continuar com intervenções de requalificação da EN238 e finalização do IC6.

Também desenvolver políticas de defesa ambiental local e de agricultura sustentável e familiar. 

Entre várias propostas, apresentam a valorização do ensino superior no distrito e exigência da conclusão das obras da Linha da Beira Baixa.

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: