14.4 C
Castelo Branco
Quarta-feira, Setembro 30, 2020
No menu items!
Início Nacional Uma questão de chá

Uma questão de chá

Além de visitas guiadas e degustações, na plantação de Chá Camélia, há Paísworkshops para saber mais sobre este universo fascinante, habitado por Nina Gruntkowski e DirkNiepoort

Há uma linha ténue entre o sonho e a loucura – e os grandes projectos nascem muitas vezes nessa fina fronteira.

Como explicar, de outro modo, que o que começou por ser um grande interesse e paixão de duas pessoas pelo chá, em 2011, se tenha materializado na única plantação de chá da Europa continental?

Duas razões explicam a ausência de chá na Velha Europa: a extrema exigência da produção (a planta demora cinco anos até à possível primeira colheita), e a dificuldade em encontrar as condições climáticas adequadas à plantação.

As outras duas razões prendem-se com a qualidade dos protagonistas que se lançaram neste sonho-desígnio-loucura: Nina Gruntkowski e DirkNiepoort.

A alemã e o duriense de origem holandesa são almas perseverantes e com hábitos de ver mais longe.

Nina Gruntkowski e DirkNiepoort

Em 2011, tiveram a ideia de plantar chá em Portugal, num local com humidade mas onde raramente as temperaturas caem abaixo de zero.

Nasceria assim, em Fornelo (freguesia de Vila do Conde), no ano de 2014, a plantação de Chá Camélia – a única plantação de chá na Europa continental.

Mas muito antes disso, a primeira experiência fez-se no jardim da casa do Porto de Nina e Dirk, onde os primeiros 200 pés de “Camellia Sinensis” foram plantados e cuidados com dedicação.

Três anos volvidos, os pés foram mudados para o terreno de Fornelo, onde foi plantado pouco menos de 1 hectare de chá, num total de 12 000 plantas.

A terra, anteriormente habitada por uma vinha abandonada, foi limpa à mão, para evitar o impacto de maquinaria pesada, e cuidada segundo princípios biológicos e com espírito biodinâmico.

A sustentabilidade de todo o processo é algo muito importante para Nina e para Dirk, pois tudo o que é utilizado na plantação provém do meio envolvente.

Em 2019, surgia a primeira produção de chá verde na Chá Camélia. Doze quilos de chá seco a partir de quase 60 kg de folhas frescas – tudo feito à mão, artesanalmente.

Esta Primavera, a equipa da Chá Camélia, apesar das incertezas provocadas pela situação do Covid 19, conseguiu produzir cerca de 50 quilos de chá verde.

O Chá Camélia é um chá biológico e artesanal, feito em Portugal Continental. É um chá verde, de estilo asiático, de elevada qualidade, feito a partir de folhas inteiras, para melhor preservar o seu sabor.

Da mesma forma, todas as embalagens do chá Camélia são de vácuo, e nunca em saquetas, para garantir uma utilização que ofereça o melhor resultado final.

É por essa razão, também, que um chá verde deve ser preparado com boa água, sem ferver, com pouco tempo de infusões, e repetindo as infusões (que podem ir até cinco).

São todos estes preceitos, a atenção ao detalhe e o cerimonial do chá que podem viver-se nos ‘workshops’ que se promovem nesta plantação.

Nina Gruntkowski e DirkNiepoort

Sobre os workshops:

Divulgar a cultura do chá e o cerimonial com ele relacionado são um dos objectivos destes workshops, que convidam a uma imersão sensorial num mundo fascinante.

Na plantação Chá Camélia, podem fazer-se visitas guiadas, com a duração de duas horas, que incluem uma degustação de três chás no final.

O preço é de 100€ por grupo (máximo de 12 pessoas), e a reserva tem de ser feita com alguns dias de antecedência, para o email info@chacamelia.com.

Periodicamente, há ainda ‘workshops’ mais aprofundados sobre o mundo do chá – os próximos são já dia 19 de Setembro e 24 de outubro.

No workshop de 19 de Setembro, “As Cores do Chá”, o convite é feito para explorar os chás com todos os sentidos, e perceber, através da degustação de chás de diferentes cores e origens, como é que uma mesma planta pode produzir chás tão diversos.

Das 15h às 18h, pode descobri-lo, ao mesmo tempo que passeia na natureza (preço 25€ por pessoa).

O segundo ‘workshop’, de 24 de outubro, “Uma Taça de Chá Perfeita”, centra-se nos rituais e cerimónias em torno da experiência de beber um chá.

Aqui, poderá aprender a preparar a taça de chá perfeita, desde a escolha do chá certo, à temperatura e à qualidade da água, ou à cerâmica e utensílios usados. Vários métodos de preparação do chá serão abordados, como em Kyusu ou Gong Fu Cha, entre outros.

O horário é o mesmo – das 15h às 18h, assim como o preço (25€ por pessoa).

Devido à pandemia de Covid-19, várias medidas de proteção foram aplicadas.

Todos os cuidados de desinfecção necessários são tomados antes das visitas. O número máximo de participantes foi fixado nas 12 pessoas; as visitas guiadas ocorrem ao ar livre, com distanciamento social – e no início da visita é perguntado aos visitantes se preferem fazer a visita com ou sem máscara.

Após a visita à plantação, os participantes são convidados a sentarem-se numa mesa grande, no terraço, debaixo de um tecto que os abriga.

Sobre a produçãode Chá Camélia

De 2011 aos dias de hoje, muita foi a água que correu neste projecto do Chá Camélia.

Desde as primeiras 200 plantas, no jardim da casa do Porto de Nina Gruntkowski e de DirkNiepoort, aos atuais 12 000 pés de chá, o objectivo inicial manteve-se inalterado: produzir um chá verde de alta qualidade.

Tendo consciência de que essa produçãoé muito complexa, o primeiro passo do casal foi procurar produtores de chá verde no Japão, que os pudessem ajudar na direcção a tomar.

Em 2012, o casal de produtores japoneses Morimoto, do Sul do Japão, visitou a plantação de chá Camélia e apaixonou-se pelo projecto.

Haruyo e Shigeru San têm mais de 40 anos de experiência no mundo do chá e ajudaram o casal com os seus conhecimentos no cultivo e produção de chá biológico.

Com alguma frequência, os Morimoto visitam a plantação de Chá Camélia e dão valiosos conselhos sobre o trabalho na plantação.

Os primeiros chás do projecto Camélia foramquatro “blends”de chá verde japonês, dos parceiros Morimoto, com ervas aromáticas e flores comestíveis portuguesas.

Mais tarde, foi desenvolvido o Pipachá, que une o melhor de dois mundos – o do chá ao do vinho.

Estagia nas pipas de vinho do Porto da Niepoort, para absorver os deliciosos aromas do vinho do Porto.

Desde 2017, no Outono, são colhidas as flores das plantas de chá, que são desidratadas pelaFlorchá.

Em 2019, o Chá Camélia celebrou a sua primeira colheita de folhas para a produção de chá – colheita 100% manual, como aliás, a maior parte do processo de transformação.

Todos os dias, o desafio é transformar quantidades maiores de folhas frescas em chá verde – um processo mágico e complexo.

O Chá Camélia desenvolve hoje uma seleção de chás de alta qualidade do mundo e tisanas portuguesas biológicas.

Aos restaurantes, proporciona um aconselhamento personalizado na elaboração de ementas de chá.

Deste modo, procura também aproximar o Oriente do Ocidente, promovendo um crescente interesse dos Europeus pelo fascinante mundo do chá.

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

Ponto de Vista… por António Justo

Geopolítica e Portugal União Europeia entre os USA e a Rússia a serem empurrados pela China

Covid-19: Santa Clara – Gil Vicente vai ser o primeiro jogo da I Liga com público

O jogo Santa Clara – Gil Vicente, da terceira jornada da I Liga de futebol, vai ter uma assistência de 1.000 pessoas,...

Museu de Arte e Arquitetura gratuito no fim de semana e feriado pelo 4.º aniversário

Visitas guiadas a exposições, música, teatro, conversas e oficinas compõem a programação dos três dias de celebrações do 4.º aniversário do Museu...

João Morgado vence 13.ª edição do Prémio Nacional de Conto Manuel da Fonseca com a obra “Contos de Macau”

Câmara Municipal de Santiago do Cacém  Já é conhecida a obra vencedora da 13.ª Edição do Prémio Nacional...

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: