14.6 C
Castelo Branco
Quarta-feira, Outubro 21, 2020
No menu items!
Início Nacional 05 de outubro: Chega critica discurso “vago” de PR e “sem nada...

05 de outubro: Chega critica discurso “vago” de PR e “sem nada de palpável para os portugueses”

O Chega criticou hoje o discurso do 05 de outubro do Presidente da República, afirmando que Marcelo Rebelo de Sousa apostou numa “mensagem vaga de defesa da liberdade” e “sem nada de palpável para os portugueses”.

“Esperava-se uma mensagem dirigida à crise, às dificuldades das famílias e empresas, e à prepotência da atuação do Governo (como se viu no afastamento do Presidente do Tribunal de Contas)”, afirmou o líder e deputado único do Chega, André Ventura, num breve comunicado em reação ao discurso de Marcelo Rebelo de Sousa na cerimónia comemorativa do 110.º aniversário da Implantação da República.

Em vez disso, na opinião do líder do Chega, o chefe de Estado português “apostou na mensagem vaga de defesa da liberdade, contra as ‘ditaduras’, sem nada de palpável para os portugueses”.

Classificando Marcelo Rebelo de Sousa como o Presidente da República “mais comprometido com um Governo de que há memória em Portugal”, André Ventura, pré-candidato às eleições presidenciais de janeiro de 2021, concluiu que o discurso do chefe de Estado foi “uma mensagem igualmente servil e cúmplice do executivo”.

Hoje, na cerimónia comemorativa do 110.º aniversário da Implantação da República, o Presidente da República apelou à unidade no essencial na resposta à crise provocada pela covid-19, com equilíbrio entre proteção da vida e da saúde e da economia, e sem dramatização a mais nem a menos.

Marcelo Rebelo de Sousa deixou esta mensagem, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, em Lisboa, defendendo que é preciso “continuar a compatibilizar a diversidade e o pluralismo com a unidade no essencial”.

“O que nos diz este 05 de Outubro é que temos de continuar a resistir, a prevenir, a cuidar, a inovar, a agir em liberdade, a saber compatibilizar a diversidade com a convergência no essencial, a sobrepor o interesse coletivo aos meros interesses pessoais”, afirmou o Presidente, frisando igualmente que as ditaduras não resolverão a atual crise.

“Vamos continuar a agir em liberdade, porque não queremos ditaduras em Portugal”, disse.

O chefe de Estado referiu que “há quem prefira soluções para o estado de exceção sanitária que sacrificariam drasticamente economia e sociedade” e “há quem prefira soluções para a economia e sociedade que aumentariam riscos para a vida e saúde”.

“Há quem proponha tempos e modos diferentes, do lado da vida e da saúde, como do lado da economia e da sociedade. Esta diversidade é democrática, e é por isso respeitável. Procuremos respeitá-la, buscando a convergência no essencial, evitando quer o excesso de dramatização, quer o excesso de desdramatização dos dois lados”, acrescentou.

*LUSA

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

Sessão Pública de Abertura da Escola de Queijeiros

A Escola de Queijeiros, atividade integrada no Programa de Valorização do Queijo da Região Centro, iniciar-se-á no próximo dia 26 de outubro,...

Covid-19: Portugal com mais 16 mortos e 2.535 casos confirmados

Portugal contabiliza hoje mais 16 mortos relacionados com a covid-19 e 2.535 casos confirmados de infeção com o novo coronavírus, segundo o...

João Almeida segura liderança da geral na Volta a Itália em 17.ª etapa ganha por Ben O’Connor

O português João Almeida (Deceuninck-QuickStep) manteve esta quarta-feira a liderança da Volta a Itália em bicicleta, numa 17.ª etapa ganha pelo australiano...

UC lança programa inovador de preparação dos estudantes para o mercado de trabalho em parceria com a Randstad

A Universidade de Coimbra (UC) associou-se à Randstad, empresa líder global em soluções de recursos humanos, para lançar um programa inovador de...

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: