9.4 C
Castelo Branco
Sábado, Novembro 28, 2020
No menu items!
Início Nacional Covid-19: Uso da Internet para educação duplicou na pandemia e aumentaram compras...

Covid-19: Uso da Internet para educação duplicou na pandemia e aumentaram compras online

A percentagem de pessoas que utilizaram a Internet por motivos educacionais mais que duplicou durante a pandemia da covid-19, segundo dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que revelam também um aumento das compras online.

Apesar de os utilizadores continuarem, em 2020, a recorrer à Internet sobretudo para comunicar e aceder a informação, foi nas atividades relacionadas com a aprendizagem que se registou o maior aumento.

De acordo com os dados do INE, mais que duplicaram as proporções de utilizadores que comunicaram com professores ou colegas através dos portais educativos, passando de 14,5% em 2019 para 30,8% em 2020, e que frequentaram cursos online, 18,0% em comparação com os 7,7% do ano passado.

Os dados resultam do inquérito à utilização de tecnologias da informação e da comunicação pelas famílias, que apontam também para um aumento da percentagem de utilizadores de comércio eletrónico.

Esta atividade registou o maior aumento desde 2002, com 44,5% dos inquiridos a fazerem encomendas online nos 12 meses anteriores à entrevista e 35,2% nos três meses anteriores, o que representa um aumento de cerca de sete pontos percentuais (p.p.) em relação a 2019.

“A quantidade de encomendas através de comércio eletrónico aumentou significativamente: o grupo dos utilizadores que fizeram 3 a 5 encomendas aumentou 4,0 p.p., os que fizeram 6 a 10 encomendas aumentou 9,5 p.p. e os que fizeram mais de 10 encomendas aumentou 6,9 p.p.”, refere o INE, acrescentando que também o valor das compras aumentou.

De uma maneira geral, o número de utilizadores da Internet aumentou durante a pandemia e este ano 84,5% dos agregados familiares já tinha ligação à Internet em casa, sendo que 81,7% utilizam banda larga.

Este aumento, refere o INE, contraria a tendência de estabilidade dos resultados dos dois ano anteriores.

Por classes de rendimento, os agregados familiares com maiores rendimentos apresentam os maiores níveis de acesso à Internet (96,8%) e à banda larga (94,5%).

No outro extremo, o 1.º quintil (20% com menores rendimentos), apenas 66,9% têm acesso à Internet em casa e 62,4% através de banda larga.

O relatório do INE destaca ainda que entre os utilizadores empregados, 31,1% exerceram a sua profissão em teletrabalho, sobretudo na Área Metropolitana de Lisboa onde esta proporção foi 43,2%.

Para a grande maioria destes trabalhadores (29,6% do total de utilizadores empregados), o trabalho em casa esteve associado à pandemia da covid-19.

*LUSA

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

Gulbenkian distingue projeto de investigação da UC em computação quântica

Testar os limites dos computadores atuais, quando aplicados a problemas do domínio financeiro, e explorar modelos de computação quântica é o objetivo...

Fez-se história na vida cultural e patrimonial do Concelho de Tomar e do país

Realizou-se a abertura simbólica da “Porta da Condessa” Foi, hoje, aberta ao público, a porta situada na Torre...

Link vai ligar Sertã a Vila de Rei, Sardoal, Abrantes, Ferreira do Zêzere e Tomar

A partir de dezembro Dia 2 de dezembro marca o início de uma nova fase para o transporte...

VILA DE REI: Montras Natalícias em exibição de 1 de dezembro a 9 de Janeiro

Cinquenta e uma montras de estabelecimentos comerciais do Concelho de Vila de Rei vão estar decoradas com a temática natalícia, entre os...

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: