14 C
Castelo Branco
Sábado, Outubro 16, 2021
No menu items!
InícioCulturaCântico dos Cânticos: Guilherme D’Oliveira Martins no fecho da Exposição “Beija-me com...

Cântico dos Cânticos: Guilherme D’Oliveira Martins no fecho da Exposição “Beija-me com os beijos da tua boca” na Biblioteca Nacional

“Uma Exposição fantástica”, assim se pronunciou Guilherme D’ Oliveira Martins, acerca da Exposição “Beija-me com os beijos da tua boca”, mostra bibliográfica e iconográfica sobre o Cântico dos Cânticos, texto bíblico celebrado como o mais belo poema de amor da humanidade, que tem vindo a marcar indelevelmente a cultura portuguesa.

Guilherme D’Oliveira Martins com Gonçalo Salvado em frente ao cartaz da Exposição Beija-me com os Beijos da Tua Boca O Cântico dos Cânticos

A Exposição, a primeira realizada em Portugal, foi constituída por mais de uma centena de obras pertencentes à vasta coleção privada do poeta Gonçalo Salvado sobre esta temática, grande influência da poesia deste autor.

Nesta coleção privilegiaram-se as obras em língua portuguesa editadas em Portugal e no Brasil, algumas de grande raridade e inacessibilidade. 

A mostra esteve patente na Biblioteca Nacional de Portugal, em Lisboa, de 1 Outubro a 30 Novembro de 2020, numa das principais salas daquela instituição, conhecida como Sala Museu, espaço que permitiu reconstituir a atmosfera e recriar o imaginário do célebre poema bíblico do amor, e onde, a par da exposição bibliográfica, houve uma vertente iconográfica reunindo algumas imagens emblemáticas que em Portugal lhe foram dedicadas na pintura, no desenho e na escultura, algumas pela primeira vez apresentadas no contexto deste tema.

De lembrar que no dia da inauguração (e apenas nessa ocasião) esteve em exposição, aberta nas páginas correspondentes ao Cântico dos Cânticos, a chamada Bíblia de Cervera, texto bíblico manuscrito e iluminado, em pergaminho, do séc. XIII-XIV, que pertence ao acervo da Biblioteca Nacional destacando-se pela sua antiguidade e excelência, como a mais importante obra do género, existente em Portugal, e uma das mais valiosas do mundo.

Guilherme D’ Oliveira Martins, uma das figuras mais proeminentes da Cultura em Portugal esteve no fecho da Exposição, numa breve visita guiada, privada e organizada pelo seu comissário Gonçalo Salvado.

Presente esteve também o director da Imprensa Nacional Casa da Moeda, Duarte Azinheira, tendo-se este pronunciado igualmente em termos muito elogiosos sobre a Exposição.

Guilherme D’Oliveira Martins com Gonçalo Salvado e o director da Imprensa Nacional Casa da Moeda Duarte Azinheira

Acompanhou também a visita Maria João Fernandes co-autora com Gonçalo Salvado de um importante livro a publicar, sobre o tema.

O curador acompanhou os visitantes a uma breve visita guiada à exposição, explicitando o conteúdo de cada uma das secções que exemplificaram, entre outras, a influência do Cântico dos Cânticos na literatura de inspiração religiosa, passando pelas diversas versões e traduções para a língua portuguesa, muitas delas elaboradas por poetas e a sua repercussão nas distintas linguagens da arte, incluindo a iconografia mais inesperada.

Guilherme d’ Oliveira Martins foi igualmente comentando o conteúdo riquíssimo da Exposição e recordando muitos factos sobre os autores e figuras ligados á Cultura Portuguesa, representados na mostra.

Posteriormente e para terminar, teve também oportunidade de expressar pessoalmente o alto valor cultural da mostra à própria Diretora da Biblioteca Nacional, Maria Inês Cordeiro, felicitando-a por esta iniciativa histórica.

Esta Exposição na Biblioteca Nacional de Portugal e incluindo alguns dos seus tesouros, evidenciou a extraordinária presença no nosso País deste intemporal hino ao amor, documentada nessa mostra desde o século XV, quer no plano das versões e traduções, quer na poesia, no teatro e no ensaio, até aos nossos dias.

Atendendo ao valor que este universal Poema de Amor representa para a cultura portuguesa, esta exposição constituir-se-á certamente como uma das mais relevantes do ano de 2020, em Portugal.

A publicação do catálogo da Exposição encontra-se em fase de preparação e prevê-se para 2021 um ciclo de conferências sobre o Cântico dos Cânticos com o título: “Grava-me como um selo em teu coração” – O Cântico dos Cânticos, Paradigma Universal da Cultura Portuguesa”.

Termina a exposição e representando o futuro deste projeto, a maquette do livro, uma co-autoria de Gonçalo Salvado e Maria João Fernandes: A Chama Eterna, O Cântico dos Cânticos na Poesia e na Cultura de Língua Portuguesa, com texto introdutório de Agustina Bessa-Luís, uma obra/tese que o define verdadeiramente como o mais fecundo arquétipo do lirismo português, vocação essencial da nossa cultura.

À obra proposta à Imprensa Nacional Casa da Moeda ligar-se-á uma grande Exposição internacional de Artes Plásticas, projeto já apresentado à Fundação Calouste Gulbenkian, e durante a mostra, a Guilherme d’Oliveira Martins, Administrador da FCG.

.

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: