11.9 C
Castelo Branco
Segunda-feira, Janeiro 25, 2021
No menu items!
Início Nacional Covid-19: Trabalhadores seniores são os que mais sentem efeitos da pandemia

Covid-19: Trabalhadores seniores são os que mais sentem efeitos da pandemia

Os trabalhadores seniores, com uma média de idades de 60 anos, são os que mais sentem os efeitos da pandemia, sendo os que maior importância dão ao local de trabalho, segundo um estudo da consultora EY divulgado hoje.

O estudo da EY “Motivação de Geração em Geração” arrancou no início de 2020, com um questionário a 1.300 trabalhadores, com o propósito de perceber quais os fatores que mais impactam a motivação de cada faixa etária no mercado laboral e voltou depois a ser realizado, em maio, um novo inquérito para aferir sobre os efeitos da pandemia de covid-19.

Em causa estão quatro gerações de trabalhadores, divididas em ‘baby boomers’ (nascidos entre 1946 e 1960), ‘geração X’ (entre 1961 e 1979), ‘millennials’ (entre 1980 e 1995) e ‘geração Z’ (nascidos a partir 1996).

“De entre as quatro gerações que atualmente coexistem no mercado de trabalho – Baby Boomers, Geração X, Millennials e Geração Z – são os primeiros que se mostram mais impactados pelos desafios impostos pela pandemia”, conclui o estudo.

Segundo o documento, “são estes trabalhadores, com uma média de idade de 60 anos, quem mais sente os efeitos do atual contexto”.

“O impacto é mais expressivo na importância que atribuem hoje ao espaço físico de trabalho: se, antes, era a geração que menos importância atribuía ao local de trabalho, é agora aquela que mais o privilegia”, continua o estudo.

O documento indica ainda que os ‘baby boomers’ “passaram a colocar mais peso em temas como o equilíbrio entre a vida profissional e a vida pessoal, priorizando a necessidade de serem informados sobre a estratégia da empresa” bem como a “valorizar mais a autonomia na função desempenhada”.

De acordo com o estudo, a obrigatoriedade do teletrabalho “veio também trazer maior dinâmica à forma como as gerações valorizam a proximidade entre o local de trabalho e o local de residência”.

“Antes da pandemia, mais de metade dos participantes ‘Millennials’ (nascidos entre 1980 e 1995) e da Geração Z (nascidos a partir 1996) consideravam esta proximidade relevante; agora, apenas um terço”, lê-se no documento.

Todas as gerações auscultadas atribuem agora, por sua vez, maior importância à inovação tecnológica da empresa para a qual trabalham.

Por outro lado, antes da pandemia, eram as gerações mais jovens quem mais ponderava sair da empresa no próximo ano, enquanto que atualmente “são os ‘Baby Boomers’ quem mais equaciona essa possibilidade”, diz o estudo.

“O clima de incerteza sobre o futuro da economia e do mercado de trabalho originou um recuo das gerações mais jovens, em particular da Geração Z, que é, agora, aquela que menos poderá abraçar um novo desafio profissional nos tempos mais próximos”, aponta Anabela Silva, responsável pela área de ‘People Advisory Services’ da EY.

A primeira fase do estudo (antes da pandemia) conclui que, apesar das diferenças, as quatro gerações “estão alinhadas em reconhecer a relevância positiva que o bom ambiente de trabalho, a boa relação com as chefias e a colaboração entre colegas tem para a sua motivação”.

As conclusões mostram também que, independentemente da geração, “pessoas com filhos valorizam a autonomia, enquanto que quem não tem filhos privilegia a oportunidade de crescimento”.

“Curiosamente, são as gerações seniores aquelas que mais dão valor à inovação tecnológica nas empresas” e, ao contrário do esperado, “não são as gerações mais jovens que valorizam o papel social e ambiental das empresas, mas sim as mais experientes”, conclui ainda o estudo.

*LUSA

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: