10.6 C
Castelo Branco
Terça-feira, Janeiro 19, 2021
No menu items!
Início Cultura II Festival de Música do Pinhal teve milhares de visualizações

II Festival de Música do Pinhal teve milhares de visualizações

Na passagem por Oleiros do Festival das Artes da Beira Baixa – iniciativa integrante do projeto Beira Baixa Cultural – a 2.ª edição do Festival de Música do Pinhal (FMP), promovido pelo Município de Oleiros, em parceria com a Associação Cultural da Beira Interior, renovou o sucesso do ano anterior e alcançou milhares de visualizações.

O II FMP, sob a direção artística do consagrado Maestro Luís Cipriano, cumpriu uma vez mais o seu objetivo pedagógico de sensibilização das gentes locais para a Música, formando e captando novos públicos, ao mesmo tempo que se adaptou à conjuntura pandémica que se vive.

Por outro lado, foi garantida a continuidade de uma programação cultural de excelência, numa estratégia descentralizada e apostada em contrariar realidades, através de uma oferta artística acessível, inclusiva e integradora.

Os seis concertos agendados tiveram o seu arranque em setembro, na Igreja Matriz de Estreito, numa primeira fase presencial, a qual registou uma boa adesão de espetadores, cumprindo as necessárias normas de segurança.

A elevada qualidade exibida pelos Velvet quintet marcou de forma sublime o início das comemorações do cinquentenário daquele imóvel religioso.

Devido ao agravamento pontual da situação pandémica e à ocorrência de um incêndio florestal de elevadas proporções, a continuidade do evento projetou-se para o mês de dezembro e adaptou-se às circunstâncias vividas, sendo exibido em formato live streaming, a partir da Casa Padre António de Andrade (em Oleiros).

Nesta segunda fase do Festival, os restantes cinco concertos transmitidos mantiveram o padrão de excelência e foram pautados por um elevado nível (milhares) de visualizações, dando um maior alcance ao evento e consolidando desta forma uma iniciativa que veio para ficar.   

Nesta edição do FMP foi dado ênfase, mais do que às classes instrumentais, às várias épocas da História da Música, à escala mundial, passando por vários compositores, músicos e tipos de instrumentos por eles utilizados em cada género/era musical.

Tango, fado, música medieval, renascentista ou contemporânea, deram o mote a um Festival que permitiu um périplo enriquecedor para vários quadrantes musicais.                           
Por outro lado, os grupos e intérpretes como Velvet quintet (Cordas), Piano4VoiceCarmin´Antiqua, Coro Misto da Beira Interior (com os projetos Fado e La Renaissance) e Francisco Cipriano (Percussão), apresentaram uma variabilidade de timbres e vozes e uma diversidade de sons e instrumentos que não deixaram ninguém indiferente.

Outro dos pontos fortes da iniciativa foi a acústica dos locais onde esta teve lugar, revelando novas potencialidades nos espaços utilizados, numa adaptação motivada pela atual conjuntura.

O FMP soube reinventar-se, alcançando notabilidade e superando todos os seus propósitos, em conformidade com a aposta do município pela Música, o que tem favorecido a realização de outras bem-sucedidas parcerias artístico-culturais.

Recorde-se que o projeto intermunicipal Beira Baixa Cultural (onde se enquadra este Festival), e que agora cumpre o seu 3.º e último ano de vigência, é promovido pela Comunidade Intermunicipal e municípios que a constituem, sendo cofinanciado pelo Fundo de Desenvolvimento Europeu / Portugal 2020.

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: