2.2 C
Castelo Branco
Terça-feira, Janeiro 19, 2021
No menu items!
Início Cultura "Só eu escapei" em cena no Teatro Aberto até 28 de fevereiro

“Só eu escapei” em cena no Teatro Aberto até 28 de fevereiro

O espetáculo “Só eu escapei”, de Caril Churchill, com encenação de João Lourenço, regressa ao palco do Teatro Aberto, em Lisboa, de 06 de janeiro a 28 de fevereiro, anunciou hoje o teatro.

Um texto “profético” num espetáculo “de alto risco” foi como João Lourenço definiu a peça à Lusa, por altura da estreia, em novembro de 2020.

A estreia de “Só eu escapei” esteve prevista para maio de 2020, mas acabou por ser adiada devido à pandemia de covid-19.

O facto de ser representada por quatro atrizes com idades superiores a 70 anos fez desta peça “um espetáculo de risco” face à pandemia de covid-19 que atinge Portugal.

Com versão de João Lourenço e Vera San Payo de Lemos – que também assina a dramaturgia – trata-se de um espetáculo que “reflete a inteligência, sagacidade e capacidade que a maior autora britânica da atualidade teve de antever a angústia dos dias estranhos que estamos a viver”, acrescentou João Lourenço, que também assina o cenário.

Catarina Avelar, Lídia Franco – pela primeira vez dirigida por João Lourenço -, Márcia Breia e Maria Emília Correia são “as quatro grandes atrizes portuguesas cujas capacidades e currículos profissionais” representam “grande parte da história do teatro português do século XX”, considerou João Lourenço.

Por isso, o diretor artístico do Teatro Aberto insistiu em dar ênfase “à resiliência, vontade, ao empenho e ao profissionalismo demonstrados pelas quatro atrizes”, desde a preparação da peça, porque, apesar de ter chegado a ser ensaiada a partir da casa de cada um, nos últimos tempos, com a aproximação da estreia, impôs-se a necessidade de haver deslocações diárias ao teatro.

“Uma aposta e um risco diário quase às cegas, pois devido à pandemia do novo coronavírus nunca sabíamos se conseguiríamos estreá-la”, frisou. “Mas elas, enquanto grandes atrizes que são, embora com carreiras em registos diferentes, mostraram sempre uma força e capacidade de resistência e insistência inigualáveis”, notou o encenador.

Escrita “antes de Donald Trump e de o ‘pateta’ brasileiro se tornarem presidentes”, “Só eu escapei” questiona o futuro da vida na terra, face “aos delírios de uma evolução que deixou de ter em conta a dimensão humana e a preservação das espécies”, referiu.

A ação gira em torno de quatro mulheres “irónicas, engraçadas, inteligentes e, principalmente, duras”, que se encontram no jardim de uma casa, a conversar.

As quatro atrizes “vão tomando chá ao mesmo tempo que vão denunciando a violência física e psicológica dos tempos que correm”, num mundo “em sobressalto diário e em que, pela primeira vez, também o teatro se encontra ameaçado, na plateia e no palco”.

Com figurinos de Ana Paula Rocha e vídeo de João Lourenço/Temper Creative Agency, o espetáculo tem assim sessões de quarta-feira a sábado, às 19:00, e, ao domingo, às 16:00.

Esta é a terceira peça da dramaturga britânica que o Teatro Aberto põe em cena. “Top Girls”, uma encenação de Fernanda Lapa estreada em 1993, foi a primeira, seguindo-se, vinte e um ano depois, “Amor e informação”, encenada por João Lourenço.

*LUSA

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: