11 C
Castelo Branco
Quinta-feira, Outubro 28, 2021
No menu items!
InícioNacionalCovid-19: Bibliotecas devem deixar o sinal de acesso Wi-Fi aberto, apela rede...

Covid-19: Bibliotecas devem deixar o sinal de acesso Wi-Fi aberto, apela rede nacional

A Rede Nacional de Bibliotecas Públicas (RNBP) apelou hoje a que estes equipamentos culturais, mesmo estando encerrados, “deixem o sinal de acesso Wi-Fi aberto”, para “garantir a todos, tanto quanto possível, o acesso à Internet”.

Numa curta mensagem nas redes sociais, a RNBP recorda que a pandemia, o confinamento decretado na semana passada e a decisão de “encerramento das escolas” agravaram a situação das “famílias mais vulneráveis” e criaram “novas vulnerabilidades”.

“As bibliotecas, como serviços universais e gratuitos, assumem aqui a maior importância no combate às desigualdades, nomeadamente ao continuarem a disponibilizar, mesmo com os espaços encerrados, acesso gratuito ao Wi-Fi da biblioteca”, sabendo que a Internet “passou a ser o meio de comunicação privilegiado”, sublinha a RNBP.

De acordo com os dados mais recentes, de 2018, a Rede Nacional de Bibliotecas Públicas conta com 431 bibliotecas centrais e pólos em 238 municípios. A gestão das bibliotecas é uma das responsabilidades das autarquias.

Na semana passada, ainda antes do anúncio de um novo confinamento geral da população, a BAD – Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas, Profissionais da Informação e Documentação apelava, em carta aberta ao Governo, para que as bibliotecas públicas se mantivessem em funcionamento

Sublinhando que as bibliotecas públicas cumprem as normas de higiene e que “nunca constituíram foco de infeção”, a associação lembrou que estes equipamentos fornecem um serviço gratuito aos portugueses de acesso à informação, à leitura e à Internet sem fios.

“Numa fase em que os danos colaterais desta pandemia na saúde mental dos portugueses já começaram a ser analisados e parecem assumir contornos preocupantes, acreditamos que as bibliotecas, o acesso livre à informação e a disponibilização de livros e leituras podem contribuir para menorizar os efeitos nefastos do isolamento”, lê-se na carta.

Apesar da decisão de encerramento, há várias bibliotecas a prestarem, ainda assim, alguns serviços.

A título de exemplo, em Ourém (Santarém) e em Gouveia (Guarda), as bibliotecas municipais estão a disponibilizar livros para consulta em regime ‘take away’, ou seja, os livros podem ser requisitados e os funcionários entregam-nos em casa dos leitores.

A propósito do contexto de pandemia, a Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB) fez dois inquéritos às bibliotecas públicas – em julho e em novembro de 2020 – sobre o funcionamento dos serviços e a perceção dos desafios no contexto de pandemia de covid-19.

“Verifica-se, com apreço e reconhecimento, que na globalidade se multiplicaram as iniciativas das bibliotecas públicas no âmbito da sua reinvenção face às restrições impostas pela pandemia”, conclui o segundo inquérito, que compara com o primeiro.

As principais fragilidades já estavam identificadas, mas a pandemia veio evidenciá-las: os baixos níveis de serviços online e a necessidade de fortalecer as competências digitais dos recursos humanos.

Por isso, é defendida a “necessidade de efetuar investimentos em tecnologias e em recursos humanos qualificados”.

*LUSA

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: