6.6 C
Castelo Branco
Sexta-feira, Dezembro 3, 2021
No menu items!
InícioInternacionalPM considera que Guterres tem servido de “forma exemplar” valores das Nações...

PM considera que Guterres tem servido de “forma exemplar” valores das Nações Unidas

O primeiro-ministro português destacou hoje a “forma exemplar” como o atual secretário-geral da ONU, António Guterres, tem servido os valores daquela organização durante os últimos e “particularmente difíceis” cinco anos, com uma “liderança firme” perante os grandes desafios globais.

“Ao longo dos últimos cinco anos, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, serviu de uma forma exemplar as Nações Unidas, a sua Carta, os seus valores. Encheu seguramente Portugal de orgulho, mas, sobretudo, devolveu força a valores fundamentais que o Humanismo que inspirou a Carta das Nações Unidas precisa de ver devidamente promovidos e defendidos”, afirmou António Costa, ao formalizar hoje em Lisboa a proposta do nome do ex-primeiro-ministro português para um segundo mandato na liderança da ONU.

Numa breve cerimónia na residência oficial, em São Bento, António Costa assinou a carta a formalizar a proposta do executivo português, documento endereçado ao presidente da Assembleia-Geral da ONU, o diplomata turco Volkan Bozkir, e à presidência do Conselho de Segurança, este mês assegurada pelo Reino Unido.

“Foram cinco anos particularmente difíceis onde no mundo se travou um grande debate entre o regresso ao nacionalismo, ao isolamento ou a defesa do multilateralismo”, prosseguiu o chefe do Governo português, enumerando ainda outros grandes desafios da atualidade, como a pandemia da doença covid-19, o combate às alterações climáticas, a proteção dos oceanos e a promoção da paz e dos direitos humanos à escala global.

“Contudo, a liderança firme de António Guterres permitiu que passados estes cinco anos haja um novo espírito e uma nova vontade de reforçar as instâncias multilaterais”, afirmou António Costa, especificando que durante o último ano o mundo, confrontado com uma “dolorosa experiência”, teve a perceção que “os grandes desafios globais exigem sempre respostas globais”.

“Cada vez mais são fundamentais as organizações multilaterais, aquelas que permitem a junção de esforços entre todos para a promoção do bem e das causas comuns”, defendeu António Costa, realçando o “papel central e indispensável” que as Nações Unidas desempenham neste sistema de organizações multilaterais.

Ainda na declaração feita aos jornalistas, sem direito a perguntas, o primeiro-ministro português manifestou “muita confiança” na avaliação que os Estados-membros da ONU farão do atual mandato de Guterres e das qualidades deste para o desempenho de um novo mandato.

“Creio (…) que este é o momento de esperança para o conjunto da Humanidade poder contar com a liderança de António Guterres à frente das Nações Unidas. (…) Para Portugal é seguramente um orgulho poder continuar a contar com um dos seus numa função tão distinta à escala global”, concluiu António Costa.

Na carta hoje assinada, Portugal lembra ainda que Guterres lançou um processo de reforma para tornar a organização “mais ágil e eficiente no cumprimento dos objetivos” e promoveu a igualdade de género, um aspeto que “tem constituído um pilar” no seu atual mandato.

O mandato de cinco anos de Guterres, que assumiu o cargo de secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) em janeiro de 2017, termina no final deste ano, a 31 de dezembro.

Aclamado pelos 193 Estados-membros da Assembleia-Geral da ONU para o cargo de secretário-geral em 13 de outubro de 2016, António Guterres anunciou, em janeiro último, a sua disponibilidade para cumprir um segundo mandato de cinco anos no período de 2022-2026.

As Nações Unidas deram início este mês ao processo formal de seleção do próximo secretário-geral da organização, ao pedirem aos 193 Estados-membros que submetessem os nomes de candidatos ao cargo.

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, já endossou António Guterres para um segundo mandato.

A Alemanha também já tornou público o seu apoio ao atual secretário-geral da ONU.

Em 75 anos de vida das Nações Unidas, apenas o egípcio Boutros Boutros-Ghali (secretário-geral da ONU entre janeiro de 1992 e dezembro de 1996) não foi reconduzido no cargo.

*LUSA

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: