11.7 C
Castelo Branco
Sábado, Abril 17, 2021
No menu items!
Início Regional Estudo indica que dois terços dos idosos da Guarda têm excesso de...

Estudo indica que dois terços dos idosos da Guarda têm excesso de peso

O frio rigoroso no inverno e o medo de lesões são apontados como as principais barreiras à prática de atividade física, revela estudo realizado por investigadores do Politécnico da Guarda.

Inserido no projeto Gmove+, este trabalho pretende reduzir o sedentarismo dos idosos da Guarda através da prática da atividade física.

“Esta é uma das formas mais eficientes de garantir a qualidade de vida da população com mais de 65 anos”, afirma Joaquim Brigas, presidente do IPG.

A maioria da população guardense com mais de 65 anos é obesa ou está em risco de desenvolver essa condição, indicou um estudo realizado por cinco investigadores do Instituto Politécnico da Guarda – IPG.

A investigação sobre a qualidade de vida e a atividade física da população idosa do concelho revelou que 21% dos idosos da Guarda sofre de obesidade e 46% de pré-obesidade: o que corresponde a 67% da população sénior.

O frio rigoroso e o medo das lesões foram identificados como os principais entraves à prática de atividade física.

“Depois de sabermos que oito em cada dez idosos em Portugal estavam com sobrepeso, segundo o Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física, quisemos conhecer profundamente a realidade do concelho da Guarda”, afirma Carolina Vila-Chã, coordenadora do estudo e docente do curso de Desporto, Condição Física e Saúde no IPG.

“Para tal, procurámos entender através de inquéritos os fatores que levam os idosos a não fazerem exercício para conseguirmos implementar estratégias de intervenção local eficientes”.

O estudo foi publicado em 2019 e reeditado em janeiro de 2021.

Foram avaliados 213 indivíduos residentes na Guarda, 56% do sexo feminino e 44% do sexo masculino, com idade igual ou superior a 65 anos em três grandes áreas: qualidade de vida e estado de saúde; aptidão física e funcionalidade; e níveis, barreiras e promotores da prática regular da atividade física.

 O questionário sobre os motivos que impedem ou constituem obstáculos à prática de atividade física mostrou que o “clima desfavorável”, referido por 57,8% dos idosos, é a principal causa, seguido do “tenho medo de uma lesão ou incapacidade” indicado por 44% dos inquiridos.

Houve, no entanto, mais mulheres a referirem este medo (55%) do quehomens (33%).

“A pobreza energética das habitações e instalações desportivas é um grande problema: os edifícios são muito frios no inverno. As temperaturas exteriores são pouco convidativas e as casas carecem de condições que facilitem a prática de exercício”, afirma Carolina Vila-Chã.

“Outro grande obstáculo, principalmente para as mulheres, é o medo de se lesionarem ou agravarem alguma das suas patologias, claramente por desconhecerem a plenitude das vantagens da atividade física para a sua saúde”.

Esta investigação foi realizada no âmbito do Gmove+, um programa de intervenção para promover a atividade física entre os idosos da Guarda, lançado pelo IPG em 2018.

“O grande objetivo deste projeto de investigação foi promover o envelhecimento ativo e combater o sedentarismo através da prática da atividade física. Esta é uma das formas mais eficientes de garantir a qualidade de vida da população com mais de 65 anos”, afirma Joaquim Brigas, presidente do IPG.

Projeto pretende combater sedentarismo

“As recomendações para a população permanecer em casa devido à pandemia da Covid-19 fizeram aumentar o sedentarismo, ao limitarem as movimentações diárias dos cidadãos, especialmente dos mais idosos por pertencerem aos grupos de risco”, afirma Carolina Vila-Chã.

“Para evitar essa tendência, estamos a procurar desenvolver, em articulação com elementos da Câmara Municipal da Guarda e da Unidade Local de Saúde, atividades direcionadas para o período pós-pandemia”.

Está prevista a promoção e realização de sessões de exercício físico, bem como programas específicos para os diabéticos e para a população da terceira idade com limitações físicas e psicológicas mais graves.

“Este recomeço deve ser feito de forma gradual, com a introdução de pequenas atividades e de forma mais personalizada possível, precisamente para evitar lesões e motivar os participantes”, conclui a docente do curso de Desporto, Condição Física e Saúde

O estudo do IPG revelou ainda que 60% dos inquiridos sofrem de doenças cardiovasculares e 34% de doenças osteoarticulares.

“A falta de atividade física está habitualmente associada a doenças do coração, a diabetes ou à perda de mobilidade dos idosos”, afirma Joaquim Brigas.

“A prática de atividade física deve ser considerada uma prioridade de saúde pública e, por isso, o IPG, através de profissionais ligados ao desporto e à saúde, irá continuar a criar medidas para quebrar o comportamento sedentário e aumentar a qualidade de vida dos idosos”.

Esta investigação foi realizada pelos investigadores do IPG –Carolina Vila-Chã, Cláudia Vaz, Nuno Serra e Ermelinda Marques, no âmbito do projeto Gmove+, liderado pelo Politécnico da Guarda, em parceria com a Unidade Local de Saúde da Guarda, com a Câmara Municipal, com os Institutos Politécnicos de Castelo Branco e de Viana do Castelo.

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: