12.1 C
Castelo Branco
Domingo, Setembro 26, 2021
No menu items!
InícioNacionalBE acusa Governo de não ter travado “esquema” fiscal da EDP, Costa...

BE acusa Governo de não ter travado “esquema” fiscal da EDP, Costa diz que competência é da AT

O primeiro-ministro afirmou hoje que a qualificação fiscal de qualquer negócio não é competência do Governo, mas da Autoridade Tributária, respondendo às críticas do BE ao executivo por não ter travado o “esquema” da EDP na venda de barragens.

Na abertura do debate com o primeiro-ministro sobre política geral, que decorre hoje no parlamento, a coordenadora do BE, Catarina Martins, questionou António Costa sobre um tema no qual o BE tem insistido nas últimas semanas, “um esquema” que considera ter permitido à EDP poupar 110 milhões de euros no negócio da venda de seis barragens.

“Está em causa o facto de o Governo ter tido conhecimento antes do negócio – e antes de o autorizar – do planeamento fiscal agressivo da EDP para não pagar impostos e tendo a possibilidade legal de ter imposto um critério de justiça fiscal à EDP, ter optado por autorizar a venda, sem impor nenhum critério de justiça fiscal”, acusou a líder do BE.

Ao longo das várias respostas, o primeiro-ministro insistiu que “a competência do Governo relativamente a esta matéria tem a ver com a idoneidade do proposto concessionário e da gestão dos caudais”.

“Não compete a nenhum membro do Governo proceder à qualificação fiscal de qualquer negócio. Essa competência própria é da Autoridade Tributária e a Autoridade Tributária, ao contrário do que a senhora deputada diz, não tem de ir para tribunal cobrar nada, porque goza de privilégios de execução prévia, determina para a EDP – como determina para qualquer um de nós – o que temos a cobrar, cobra e se alguém tiver a protestar é que poderá ir para tribunal”, afirmou Costa.

O chefe do executivo manifestou depois confiança no funcionamento desta entidade.

“A não ser que a senhora deputada conheça algum facto concreto que nos leve a levantar a suspeição sobre a idoneidade da Autoridade Tributária para o exercício das suas funções”, acrescentou.

Catarina Martins, quando tomou de novo a palavra, disse que “não está em causa a idoneidade” desta entidade.

“É grave, seria grave em todos os momentos. Numa altura de crise é ainda mais chocante que o Governo, tendo sido avisado antes, não tenha feito nada para impedir o negócio, para obrigar a EDP a pagar os impostos que deve, desde logo à população da Terra de Miranda”, condenou.

*LUSA

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: