18.8 C
Castelo Branco
Terça-feira, Agosto 3, 2021
No menu items!
InícioCulturaSanta Bárbara da Lousa – Jornal de Cordel

Santa Bárbara da Lousa – Jornal de Cordel

5 de abril, segunda-feira de Páscoa

Depois da Páscoa, na Beira, organizam-se festas para celebrar os seus Santos e conviver nos recintos das suas Ermidas.

Num apanhado geral, facilmente deduzimos que são muitas as Santas a quem a igreja católica ergueu ermidas e o povo sustenta com a sua devoção.

Virgens que pelo seu exemplo na defesa da sua honra e da nova fé cristã sucumbiram às mãos ferozes de bárbaros violadores ou de pais tiranos.

Há o São Macário, mártir que o Alcaide festeja com intenso fervor; numa lenda ecológica e bela como a que é descrita ao longo dos séculos e Albano Mendes de Matos fixou em livro.

Mas na Beira, são as Ermidas, num quase exclusivo feminino, as que mantêm ainda o fervor e as tradições: Santa Bárbara, na Lousa; Senhora de Mércoles, em Castelo Branco; Santa Apolónia, em Alcains e sempre com uma especial devoção: uma dor dentes, um medo pavoroso de trovoadas, uma febre sem explicação, são ainda motivos de preces e promessas a pagar todos os anos.

Imagem de Santa Bárbara – Desenho

As Romarias que se sucedem todas as semanas após a Páscoa; eram, antes da pandemia, também um lugar de convívio fraterno entre família, vizinhos e amigos; onde se partilhava o farnel ao ar livre, e onde a alegria era geral e sem idade (dos infantis aos séniores).

Para colmatar a atual ausência de encontros presenciais, a Alma Azul vai enviar um Jornal de Cordel, digital, editado expressamente para ser distribuído no dia 5 de abril, segunda-feira de Páscoa, data em que se celebraria a Romaria de Santa Bárbara, na Lousa

A versão digital do Jornal de Cordel – Santa Bárbara será distribuído de forma gratuita e por todos os que o que desejarem receber, em qualquer parte do país; desde que façam o pedido através do correio eletrónico: alma.azul.1999@gmail.com.

Será uma forma de valorizar a memória coletiva e a divulgação de lendas e romarias do património cultural do distrito de Castelo Branco; um trabalho que a Alma Azul desenvolve desde abril de 2020, através do Projeto: Lendas e Romarias na Beira – Narrativas com Identidade, a que dará publicação em papel assim que se regressar aos encontros presenciais.

Como grande parte das Santas a quem ainda prestamos culto, Santa Bárbara nasceu nos primeiros séculos do cristianismo (III) e foi degolada pelo pai por se recusar a abandonar a sua fidelidade à fé cristã.

Segundo a lenda, logo após a sua morte, o céu tornou-se chumbo e desencadeou-se uma gigantesca trovoada, que, ainda segundo a lenda, um dos raios terá fulminado Dióscoro, o seu pai e carrasco.

Santa Bárbara – Pintura

Daí a expressão popular: “Só lembra Santa Bárbara quando fazem trovões”.

É sobre a lenda, mas especialmente sobre a forma como a comunidade da Lousa presta homenagem à sua Santa Bárbara, a quem ergueu uma capela, os textos publicados no Jornal de Cordel, em versão digital, e que a Alma Azul enviará na segunda-feira de Páscoa, a quem o desejar receber gratuitamente.

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: