19.3 C
Castelo Branco
Terça-feira, Julho 27, 2021
No menu items!
InícioRegionalConcelhia de Coimbra do BE contra o crime ambiental na margem esquerda...

Concelhia de Coimbra do BE contra o crime ambiental na margem esquerda do Mondego

A Comissão Concelhia de Coimbra do Bloco de Esquerda, manifesta a sua preocupação pela intervenção de “limpeza” efetuada pela Câmara Municipal de Coimbra na margem direita do Rio Mondego (entre a Portela e a Praia fluvial do Rebolim).

O resultado da limpeza efetuada é visivelmente desastroso do ponto de vista da preservação ambiental, fruto ou de ação negligente ou de incompetência, que levou à destruição da cobertura arbórea e de uma extensa galeria ripícola, cuja importância é fundamental, entre outros aspetos, para o funcionamento dos ecossistemas fluviais, favorecendo a biodiversidade e protegendo as margens do Mondego contra a violência das cheias e a sua consequente erosão.

A destruição sistemática de todo o coberto vegetal e a terraplanagem das terras deixou a descoberto uma extensa área de areia, inertes, e restos de madeira.

A inevitabilidade do seu arrastamento para o leito do rio, com a chuva e vento, irá de novo contribuir para o assoreamento e sobrecarga daquele, junto à ponte-açude.

Para além disso crescem os riscos de erosão a jusante de toda a margem direita até ao Parque Verde.

Causa ainda preocupação e estranheza que as intenções por detrás do desmatamento desta zona não tenham sido explicitadas aos cidadãos e cidadãs do município.

A eventual construção futura de equipamento desportivo dedicado ao golfe, apontado como motivo do crime ambiental cometido, negado pelo Presidente da CMC (mas confirmado pelo seu vice-Presidente!) consolida a opinião sobre a leviandade e falta de transparência com que os cidadãos da cidade se confrontam.

A confirmar-se tal projeto, será necessário conduzir e divulgar estudo ambiental associado, estudar os possíveis impactos da manutenção do campo de golfe para a vegetação e biodiversidade local, ouvir os munícipes sobre a utilidade de tal projeto e entender se este seria para usufruto público ou privado.

As margens do rio, que todos prezamos, deverão ser parte integrante de uma “circular verde” que envolva a cidade, num contínuo com as áreas verdes já existentes e outras a desenvolver.

A descarbonização e o combate às alterações climáticas a que a CMC não pode ficar alheia, não pode ser matéria de proclamadas intenções esboçadas em papel sem aplicação prática e concreta ou ações contraditórias desta natureza.

No curto prazo, impõe-se com a celeridade necessária, a adequada reposição do coberto vegetal, arbustivo e arbóreo, a fim de mitigar os efeitos duma tão desastrada intervenção.

O BE estará presente e apoiará as iniciativas de cidadãos e coletivos locais promotores de ações tendentes à exigência de ação célere e enérgica de reparação do desastre ambiental provocado e insta a CMC a que proceda a um cabal esclarecimento público do(s) motivo(s) que levaram à ação destruidora da galeria ripícola que cobria grande extensão da margem direita do rio, e que foi muito para além da limpeza e erradicação de espécies infestantes.

O BE questionará o Ministério do Ambiente e o Governo em sede parlamentar, exigindo um inquérito rigoroso sobre uma ação que configura um crime ambiental e insurge-se contra o silêncio e desprezo pelos cidadãos de Coimbra.

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: