17.1 C
Castelo Branco
Segunda-feira, Agosto 2, 2021
No menu items!
InícioNacionalUma história de maus fígados

Uma história de maus fígados

Que há em comum entre uma vida sedentária com muita cadeira e sofá e pouco exercício, uma alimentação rica em gordura e açúcar, e a barriga grande daquele Tio que bebe demais e estraga as festas de Natal? Nada mais, nada menos, que uma história de maus fígados.

É do conhecimento geral que o excesso de álcool faz mal ao fígado.

Toda a gente ouviu falar de cirroses causadas pelo excesso de consumo de álcool.


Paulo J. Oliveira (Bioquímico)

Mas menos gente sabe que, mesmo em pessoas com um reduzido (ou nulo) consumo de álcool, o fígado pode fica rafectado de uma maneira muito semelhante ao de alguém com um consumo exagerado de álcool. E porquê?

Já antes da pandemia da covid-19, sabíamos que tínhamos outra pandemia em mãos.

Os maus estilos de vida nos países industrializados, com vidas sedentárias, muitas vezes agarradas a ecrãs e com pouco ou nenhum exercício físico, associados a dietas deficientes, ricas em açucares e gorduras, levaram a um aumento crescente de perturbações metabólicas, incluindo o chamado síndroma metabólico, que se faz acompanhar de condições graves.

Uma dessas condições é o chamado fígado gordo não-alcoólico, isto é, uma acumulação excessiva de gordura no fígado, que ocorre em situações de nulo ou reduzido consumo de álcool.

Convém abrir aqui um parêntesis e dizer que a noção de “reduzido consumo de álcool” pode ter várias definições de acordo com a pessoa que conta a história.

Uma garrafa de vinho tinto diariamente para algumas pessoas pode ser uma definição clássica de reduzido consumo de álcool (não é!), daí que o termo “não-alcoólico” possa ter uma conotação dúbia em alguns círculos.

Voltando à nossa história, o que leva o fígado a acumular gordura de forma excessiva? A resposta não é linear, mas inclui a referida “vida malvada”, como diriam os Xutos e Pontapés.

Em condições normais, numa vida activa, o nosso fígado acumula apenas as reservas de gordura mínimas necessárias para o seu funcionamento diário.

As principais células do fígado, chamadas hepatócitos, queimam essa gordura para gerar a energia que aquele órgão necessita.

Quando temos uma alimentação muito rica em gordura e não a queimamos com actividade física, o nosso corpo guarda o excesso num tecido especializado chamado tecido adiposo.

Quanto este atinge a capacidade máxima, a gordura começa a acumular-se noutros locais, incluindo o fígado. Vamos agora juntar a esta mistura uma alimentação rica naqueles doces maravilhosos das montras das pastelarias, em refrigerantes, e muitos outros alimentos ricos em açúcar.

Este acrescento extra de açúcar (sacarose, no termo mais científico) leva a um aumento exagerado de gordura no fígado. E porquê? Porque a sacarose tem na sua composição fructose (exactamente, o açúcar da fruta), que, em excesso tem consequências muito graves para o nosso organismo.

O excesso de fructose é rapidamente armazenado no fígado sob a forma de gordura e pode alterar igualmente a nossa flora intestinal, levando os simpáticos microrganismos que usam o nosso intestino para seu condomínio privado, a produzir toxinas que depois viajam até ao fígado e podem causar mais dano.

O aumento de gordura no fígado citado em cima será maior quanto menos activos formos, justamente porque não temos como queimar essa fonte de energia. Temos aqui uma condição chamada esteatose, que, no seu início, é a fase benigna do chamado síndroma do fígado gordo.

E nesta fase temos ainda a escolha de melhorar a nossa dieta e aumentar o exercício físico para reverter o processo. Podemos claro pensar que isto tudo dá muito trabalho e continuar a nossa vida menos saudável.

O nosso fígado, com muita gordura e ainda por cima a receber toxinas de outros locais, como o intestino, pode ficar inflamado, levando à chamada esteatohepatite, uma condição bem mais severa e ainda sem tratamento eficaz.

Podemos continuar a ignorar o problema, a ter os mesmos (maus) hábitos de vida, e lentamente o nosso fígado pode sofrer uma cirrose.

Repare-se, falamos de fígado gordo não-alcoólico, já não é só o Tio que falámos acima que pode ter uma cirrose porque abusa do “copo”.

Podemos sofrer de fígado cirrótico sem beber álcool, por estranho que pareça. Se mesmo assim, não houver juízo, uma consequência é um hepatocarcinoma (um tumor no fígado), cujo tratamento pode passar pela remoção de parte do fígado ou mesmo por um transplante.

Pois, espero que tenham percebido o problema agora; ainda para mais, métodos de diagnóstico que possam ajudar o médico a identificar o problema numa fase precoce não existem.

Para aqueles ainda mais incrédulos, notem que cerca de 30% da população Portuguesa pode sofrer de fígado gordo não-alcoólico (um valor semelhante ao da União Europeia).

Mais preocupante ainda, cerca de 10% (!!) das crianças até aos 12 anos podem sofrer desta condição. Imaginem o que vai acontecer quando chegaram a adultos se continuarem com um estilo de vida menos saudável.

Imaginem agora: uma pandemia que obriga todos a estarem mais tempo em casa, que tira as crianças das escolas, das suas actividades físicas e desportivas, das brincadeiras com os amigos até ao por do sol, e as cola a ecrãs de computador ou televisão o dia todo.

Imaginem que os adultos saem menos de casa e fazem (ainda) menos actividade física.

Isto só tende a piorar e a uma epidemia transmissível vai seguir-se uma não-transmissível ainda pior.

Para os curiosos: o projecto Europeu FOIE GRAS, coordenado pelo Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra e com vários parceiros internacionais, explora o porquê desta condição, identifica biomarcadores que permitam diagnosticar com mais exactidão a mesma, e desenvolve novos tratamentos.

Para além disso produz conteúdos fantásticos para a Sociedade, incluindo duas bandas desenhadas:uma mais recente com o título “Um Fígado Equilibrado é Meio Caminho Andado!” (http://monographs.uc.pt/iuc/catalog/view/80/205/324-1)  e outra publicada no âmbito dos Jogos Europeus Universitários, que se realizaram em Coimbra em 2018 (http://www.cnbc.pt/pdf/Prancha_EUG_BD_PT_01.pdf).

Para mais informações sobre o fígado gordo ver o projecto FOIE GRAS:http://www.projectfoiegras.eu/

*Paulo J. Oliveira (Bioquímico)

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: