15.8 C
Castelo Branco
Domingo, Abril 18, 2021
No menu items!
Início Nacional Esperança de vida saudável em Portugal abaixo da média europeia

Esperança de vida saudável em Portugal abaixo da média europeia

A percentagem de população portuguesa com limitações na realização de algumas atividades devido a problemas de saúde tem baixado nos últimos cinco anos, mas a esperança de vida saudável em Portugal continua abaixo da média europeia.

Segundo dados divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), nos últimos cinco anos baixou de 36,1% (2015) para 32,1% (2020) a percentagem da população com limitações na realização de atividades habituais devido a problemas de saúde, mas Portugal continua a ser um dos países onde este indicador atinge uma maior expressão (33,0% em 2019, 24,0% para a União Europeia, UE-27).

De acordo com o INE, a expectativa de vida saudável aos 65 anos para a população portuguesa em geral em 2019 situou-se em 7,3 anos, menos três anos do que a média europeia (10,3 anos).

A publicação “Estatísticas da Saúde 2019”, divulgada pelo INE por ocasião do Dia Mundial da Saúde, que se assinala na quarta-feira, refere que em 2019 subiu o número de médicos e enfermeiros por 1.000 habitantes.

Os dados indicam que em 2019 existiam em Portugal 5,4 médicos e 7,4 enfermeiros por 1.000 habitantes, mais 2,3 médicos e mais 4,2 enfermeiros/1.000 habitantes do que há duas décadas.

“O crescimento do número de médicos em Portugal foi mais elevado do que na UE-27, com 3,6% ao ano entre 2014 e 2018 (1,4% ao ano na UE-27)”, sublinha o instituto.

O INE refere ainda que o número total de camas para internamento baixou 5,7% em 2019 e que o peso relativo do setor público na oferta deste equipamento diminuiu (de 77,7% em 1999 para 67,9% em 2019).

Contudo, com a pandemia, em 2020 o Serviço Nacional de Saúde viu reforçada a capacidade de camas de internamento, sobretudo em cuidados intensivos.

Ainda em 2019, segundo o INE, a duração média de internamento situou-se em 9,1 dias, mais longa nas Unidades de Cuidados Intensivos como é característica deste tipo de internamento: 18,4 dias nos intensivos pediátricos, 17,2 dias nos intensivos neonatais e 11,8 dias nos cuidados intensivos de adultos.

O instituto refere ainda que os hospitais públicos ou em parceria público-privada continuaram em 2019 a ser os principais prestadores de serviços de saúde, assegurando mais de 80% dos atendimentos em urgência, 75,9% dos internamentos, 70,2% das cirurgias e 62,7% das consultas médicas.

Contudo, foi nos hospitais privados que estes serviços mais aumentaram em 10 anos (entre 1999 e 2019), com um reforço do peso relativo do setor privado ao nível das consultas médicas (de 15,6% para 37,3%), das cirurgias (de 22,4% para 29,8%), dos internamentos (de 15,3% para 24,1%) e dos atendimentos em serviço de urgência (de 4,2% para 17,3%).

*LUSA

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: