14.3 C
Castelo Branco
Quinta-feira, Setembro 23, 2021
No menu items!
InícioNacionalFundação José Neves apresenta hoje relatório sobre Estado da Nação para transformar...

Fundação José Neves apresenta hoje relatório sobre Estado da Nação para transformar Portugal

A Fundação José Neves (FJF) apresenta hoje um relatório sobre educação e emprego que pretende ser um contributo para “transformar Portugal numa sociedade do conhecimento através da educação alinhada com as necessidades do futuro”, adiantou o presidente.

O “Estado da Nação: Educação, Emprego e Competências em Portugal” é apresentado esta tarde no primeiro evento anual da FJN, uma iniciativa 100% digital, que terá como oradores o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o neurocientista português que trabalha no estudo do cérebro e das emoções humanas, António Damásio, bem como o cantor, guitarrista, compositor, fotógrafo e produtor discográfico, Bryan Adams, entre outros.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da FJF, Carlos Oliveira, destacou que este relatório pretende analisar três vertentes do país – educação, emprego e a relação entre educação e emprego – e que o objetivo é “dar é um contributo ao país”, refletindo sobre onde Portugal “deve investir os seus recursos nos próximos anos de forma a atingir determinadas metas”.

“O objetivo é que Portugal se torne na tal sociedade do conhecimento, em que a educação, o conhecimento e as competências são o elevador social, o combustível para que as pessoas se sintam realizadas e o país e a economia se desenvolvam”, referiu Carlos Oliveira.

O relatório, que foi coordenado pela FJN e produzido por investigadores das universidades do Minho e de Aveiro, resulta de uma recolha, criação e análise de dados, indicadores e modelos econométricos.

As conclusões de o “Estado da Nação” têm como base dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Base de Dados Eurostat, os censos covid-19 da Direção-Geral da Saúde, e do programa da FJN, o Brighter Future, entre outras fontes.

Além de apresentar dados sobre a realidade portuguesa nas dimensões da educação e do emprego, o relatório aponta metas a atingir em 2040, uma “ambição para o país” como lhe chama o presidente da FJN que, a ser alcançada, colocaria Portugal no top 10 dos países da União Europeia.

Atualmente, nesse domínio, Portugal ocupa a 19.ª posição de uma Europa a 27, mas “mais importante que os números é perceber que é necessário fazer algo de estrutural”, salientou Carlos Oliveira, frisando que os indicadores referidos no relatório “não são atingíveis se se mantiver a trajetória da última década”.

O “Estado da Nação” tem como ponto de partida que o país, que partia de uma situação dramática no início do século XX, fez uma revolução muito significativa, em particular depois do 25 de Abril e mais ainda desde o ano 2000 em diante.

No entanto, a análise vem demonstrar que Portugal atingiu em 2000 níveis que alguns países europeus tinham atingido no princípio da década de 50.

“Vemos uma evolução extraordinária do país, mas aqui chegados não podemos desacelerar. Fizemos uma evolução fabulosa, mas continuamos com défice. A população portuguesa tem o maior défice de qualificações da União Europeia. Temos quase 50% dos adultos que têm, no máximo, concluído o ensino secundário”, analisou Carlos Oliveira.

O responsável destacou como fundamental que “as pessoas ganhem competências e invistam na formação ao longo da vida”.

“O estudo revela que melhores qualificações protegem o emprego”, sintetizou.

A este propósito, o responsável alerta para uma das conclusões do estudo: “São muito poucos os adultos que fazem aprendizagem ao longo da vida”, uma vez que dados de 2019 demonstram que só 10,5% dos adultos o fazem, e este fosso é ainda maior quando se constata que os que fizeram mais formação foram os mais qualificados, cerca de 20%. Dos que têm menores qualificações, apenas 4,2% apostaram em formação.

Mas, ainda que o maior número de qualificados, do total de adultos portugueses esteja entre os jovens, o estudo também revela, sobre o impacto da pandemia, que em dezembro de 2020 havia menos 60 mil jovens empregados.

“Isto reflete o desalinhamento entre aquilo que o mercado e os empregadores procuram e aquilo que são as qualificações das pessoas que chegam ao mercado de trabalho”, concluiu Carlos Oliveira.

À Lusa, o presidente da FJN referiu que “Portugal precisa de perceber como vai proteger em futuras crises os mais qualificados”, sendo que estes, os jovens, “têm feito um grande investimento na educação e não podem ver frustrado o seu investimento”.

Entre muitos outros indicadores, o relatório também mostra que, entre 2010 e 2018, o salário dos jovens licenciados caiu 17% e que as mulheres têm evoluído muito na formação, tendo hoje a maior quota de qualificações superiores e de mestrados, mas há profissões em que a diferença salarial relativa aos homens atinge em média 38%.

Sobre o teletrabalho, o relatório diz que este, da totalidade dos trabalhadores portugueses, apenas 30% estão em profissões que podem exercer a profissão através de casa.

O “Estado da Nação: Educação, Emprego e Competências em Portugal”, além de apresentado hoje, será partilhado com o Governo, com a sociedade em geral e instituições de ensino.

O evento desta tarde também servirá para apresentar a ferramenta 29k FJN, que poderá ser descarregada gratuitamente para telemóvel e que visa potenciar o desenvolvimento pessoal.

*LUSA

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: