4.3 C
Castelo Branco
Sexta-feira, Dezembro 3, 2021
No menu items!
InícioCulturaExposição de aguarelas “Pelos Traços do Tempo” na Biblioteca Municipal de Ródão...

Exposição de aguarelas “Pelos Traços do Tempo” na Biblioteca Municipal de Ródão até 30 de setembro

A Biblioteca Municipal José Baptista Martins (BMJM), em Vila Velha de Ródão, recebeu no dia 28 de maio a apresentação do livro “Pelos Traços do Tempo”, uma obra que reúne aguarelas de Maria do Rosário Maia e integra a coleção Rebuscar o Tempo do projeto Vidas e Memórias de uma Comunidade.

A ocasião coincidiu com a inauguração da exposição com o mesmo nome, que mostra as aguarelas originais da artista presentes na obra.

Trata-se de um conjunto de 44 aguarelas que revelam uma apuradíssima técnica e o olhar atento de Maria do Rosário Maia à beleza das coisas simples e nos trazem recortes e cenários de várias localidades do concelho de Vila Velha de Ródão.

A iniciativa contou com a presença do presidente do Município de Vila Velha de Ródão, Luís Pereira, que agradeceu “o enriquecimento patrimonial que resulta desta viagem do olhar da aguarelista e o trabalho que a BMJM tem desenvolvido em prol da valorização do património imaterial do concelho”.

Também Maria do Rosário Maia deixou um agradecimento ao Município e à BMJM, assim como aos membros do Clube de Leitura de Autores Clássicos que, num gesto de cidadania cultural louvável, se associaram à organização da iniciativa e nela participaram através da leitura de textos.

Exposição de aguarelas “Pelos Traços do Tempo” na Biblioteca Municipal de Ródão

A visita guiada à exposição revelou-se assim um diálogo a muitas vozes, no qual a descoberta patrimonial da paisagem natural e humanizada de Ródão, pintada por Rosário Maia, recebeu ecos do livro “Viagem a Itália”, de Goethe, e a companhia solidária de sua filha, Filipa Duarte de Almeida, que escreveu à mãe uma Carta do Gabão, onde se encontra a desenvolver um doutoramento sobre o Bwété Misôkô.

Patente até 30 de setembro, na BMJM, esta mostra oferece ainda ao visitante a possibilidade de contactar com outras superfícies dialogantes, como o documentário sobre a arquitetura de Eduardo Souto Moura de Thom Andersen, intitulado “Reconversão”, ou a leitura do poema “Paisagem”, criado por Jaime Rocha na residência literária do encontro Poesia, Um Dia e afixado no exterior da BMJM.

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: