9 C
Castelo Branco
Sábado, Dezembro 4, 2021
No menu items!
InícioNacionalJurisdição do PSD vai recorrer da decisão do TC de anular advertência...

Jurisdição do PSD vai recorrer da decisão do TC de anular advertência a Adão Silva

Tribunal Constitucional deu razão a Adão Silva, mas Conselho de Jurisdição Nacional não desiste de aplicar punição ao líder parlamentar do PSD e vai apresentar recurso da decisão.

Continua a guerra entre o Conselho de Jurisdição Nacional do PSD e a direção de Rui Rio. Depois de o Tribunal Constitucional (TC) ter anulado a advertência aplicada ao líder parlamentar Adão Silva, o órgão que funciona como “tribunal” do partido anunciou em comunicado que vai apresentar um recurso ao acordão dos juízes conselheiros.

A sanção foi aplicada a Adão Silva (Rui Rio acabou ilibado) por não ter dado seguimento a uma moção aprovada em Congresso — o órgão máximo do PSD — que deliberou que o partido defendesse um referendo à eutanásia.

A leitura do Conselho de Jurisdição Nacional (CJN) é que o Tribunal Constitucional anulou a sanção por considerar que a notificação a Adão Silva, feita através da secretária do Grupo Parlamentar, foi “ineficaz”, embora tenha reconhecido que essa notificação aconteceu. Além disso, o TC diz que o CJN “inovou ao atribuir um caráter vinculativo ” à moção. Ora, o CJN discorda destes pressupostos.

De acordo com o comunicado, assinado pelo presidente Paulo Colaço, o CJN apresentará o recurso alegando que aquele órgão “não notificou um militante individualmente”, mas sim “o presidente de um órgão estatutário” através de uma “pessoa que o próprio TC reconheceu”.

Além disso, o CJN insiste que “não inovou”, já que “a moção tornou-se vinculativa ao ser aprovada pelo Congresso”.

O comunicado acrescenta ainda que “ao ter inerência no Congresso”, Adão Silva “ficou naturalmente sabedor de que a 8 de agosto de 2020 este órgão lhe deu uma instrução clara”.

O CJN diz ainda que “não abdicará de considerar o Congresso o órgão máximo do Partido, com poder de vincular a atuação dos demais órgãos”.

E acrescenta: “São os órgãos executivos que respondem perante os de assembleia e não o inverso.”

O Tribunal Constitucional tinha divulgado na quarta-feira um acórdão que deliberou pela não-aplicação da sanção. Na sequência da decisão que lhe foi favorável, Adão Silva disse que esta era uma “punição arbitrária”, ferida de vícios graves e sugeriu que Paulo Colaço se deveria demitir.

*LUSA

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: