23.9 C
Castelo Branco
Terça-feira, Setembro 28, 2021
No menu items!
InícioOpiniãoPonto de Vista... por António Justo

Ponto de Vista… por António Justo

Bento XVI critica os representantes da igreja alemã

As palavras do Papa emérito, proferidas numa entrevista (“Últimas Conversas”), com o jornalista Tobias Winstel, publicada no ” Herder Korrespondenz”, causaram um certo desconforto e irritação nos meios alemães e polémica na igreja católica.

António Justo

Bento XVI assumiu um tom surpreendentemente crítico em relação à “igreja oficial” da Alemanha e advertiu para o perigo de uma igreja e doutrina sem fé. “A doutrina deve desenvolver-se na e da fé, não ficar ao lado dela”.

Bento XVI responsabiliza os representantes da Igreja na Alemanha pelo “êxodo do mundo da fé” (abandono da igreja) e lamenta que nos textos oficiais da Igreja só fale o cargo – não o coração e o espírito:  “Enquanto apenas a repartição, mas não o coração e o espírito, falar em textos oficiais da igreja, o êxodo do mundo da fé continuará”. Ele espera “um verdadeiro testemunho pessoal de fé por parte dos porta-vozes da igreja”. Também constata: “Nas instituições eclesiásticas – hospitais, escolas, Caritas – muitas pessoas estão envolvidas em posições decisivas, mas não partilham a missão interior da igreja e assim muitas vezes obscurecem o testemunho desta instituição (1).”

Ao fazer isso, ele critica, indiretamente, também o conflito entre as forças orientadas para a reforma (liberais) e as forças conservadoras. As divergências manifestam-se e são cada vez mais latentes no episcopado e em diferentes grupos de leigos.

Conservadores e Reformadores encontram-se organizados sobretudo nas organizações “Nós somos Igreja” e no “Fórum dos Católicos Alemães”.

“Nós somos Igreja” é uma organização liberal de católicos reformadores, resultante de uma petição (de 2,3 milhões de católicos na Áustria e na Alemanha) para reformas na Igreja e que se formou em 1995; os conservadores, cinco anos depois, organizaram-se no  “Fórum dos Católicos Alemães” (2). Além destas sobressai na opinião pública o grupo reformista de mulheres “Maria 2” e o grupo “O Caminho”.

Já numa entrevista anterior Bento XVI tinha também questionado o sistema do imposto para a Igreja (3).

Neste contexto, também se distancia da escolha das palavras do seu famoso “discurso de Friburgo”, no qual tinha apelado à “retirada da Igreja católica do mundo” (4).

Há um receio fundado de os conservadores na Igreja se servirem disto para resistirem à renovação iniciada pelo Papa Francisco.

Enfim, uma questão contenciosa, dado Bento XVI se pronunciar sobre política da igreja.

De facto, na Alemanha grupos de católicos conservadores e liberais e bispos conservadores (em torno do Cardeal Woilki) e bispos reformistas (em torno do Cardeal Marx) não são moderados nas suas posições, o que pode não ser benéfico para a Igreja Católica global, devido à influência que a igreja alemã tem.  

O Papa emérito, que tinha prometido viver “escondido do mundo”, talvez, como alemão e devido à excitação na igreja alemã, se sentisse agora necessitado a proporcionar, aos representantes da igreja alemã e aos organizadores das alas católicas, mais reflexão e a serem “verdadeiro testemunho pessoal de fé”.

No meio de tudo isto, o apóstolo Paulo continua a advertir: «Se um membro sofre, todos sofrem com ele; e se um membro é homenageado, todos se alegram com ele. Vós sois o corpo de Cristo e cada um no seu lugar faz parte dele» (1Cor 12,26-27).

*António CD Justo
Notas em Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=6690

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: