18.8 C
Castelo Branco
Domingo, Setembro 26, 2021
No menu items!
InícioInternacionalDecifrados grupos sanguíneos de Neandertal e Denisovanos

Decifrados grupos sanguíneos de Neandertal e Denisovanos

Como linhagens extintas dos Neandertais e Denisovanos estãoam presentes em toda a Eurásia entre há 300 e 40 mil anos.

António Piedade

Apesar da sequência de genomas antigos de cerca de 15 indivíduos Neandertais e Denisovanos realizados nos últimos anos, o estudo dos genes subjacentes aos grupos sanguíneos tinha sido até agora negligenciado.

Contudo, os sistemas de grupos sanguíneos foram os primeiros marcadores utilizados pelos antropólogos para reconstruir as origens das populações de hominídeos, como suas migrações e a sua reprodução cruzada.

Num novo estudo publicado na revista PLOS ONE (https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0254175), cientistas do Centre National de la Recherche Scientifique(CNRS), da Universidade de Aix-Marseille,e do Estabelecimento de Sangue Francês (EFS), ambos de França, examinaram os genomas anteriormente sequenciados de uma Denisovana e de três mulheres Neandertais que viveram entre 100 a 40 mil anos, a fim de identificar os seus grupos sanguíneos e considerar o que estes pode revelar sobre a história evolutiva da espécie humana.

Dos 40 sistemas de grupos sanguíneos conhecidos, a equipa concentrou-se nos sete geralmente considerados para fins de transfusão de sangue, os mais comuns dos quais são os sistemas ABO (que determinam os tipos de sangue A, B, AB, e O) e Rh.

Os resultados agora publicados reforçam as hipóteses anteriores, mas também oferecem novas surpresas.

Enquanto se pensava há muito que os Neandertais eram todos do tipo O – tal como os chimpanzés são todos do tipo A e os gorilas do tipo B – os investigadores demonstraram que estes antigos hominídeos já apresentavam toda a gama da variabilidade ABO observada nos humanos modernos.

Em análises extensivas cobrindo outros sistemas de grupos sanguíneos aparecem alelos que defendem as origens africanas para os Neandertais e Denisovanos.

Especialmente surpreendente é a descoberta de que os Neandertais possuíam um alelo Rh único ausente nos humanos modernos, com as notáveis excepções de um australiano aborígene e de um papuano.

Será que estes dois indivíduos dão testemunho da reprodução cruzada dos Neandertais e dos humanos modernos antes da migração destes últimos para o sudeste asiático?

Finalmente, este estudo lança luz sobre a demografia Neandertal.

Confirma que estes antigos hominídeos exibiam muito pouca diversidade genética, e que pode ter sido susceptíveis à doença hemolítica do feto e recém-nascido (eritroblastose fetal) – devido à incompatibilidade materno-fetal Rh – nos casos em que as mães Neandertal transportam os filhos de Homo sapiens ou de companheiros Denisovanos.

Estas pistas reforçam a hipótese de que a baixa genética diversidade juntamente com o baixo sucesso reprodutivo pode ter contribuído para o desaparecimento dos Neandertais.

*António Piedade

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: