8.8 C
Castelo Branco
Quinta-feira, Outubro 28, 2021
No menu items!
InícioNacionalInvestigadores da UC criam programa de intervenção inovador para tratamento de jovens...

Investigadores da UC criam programa de intervenção inovador para tratamento de jovens agressores com traços de psicopatia

Um programa pioneiro de intervenção psicológica desenvolvido por uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra (UC), com a colaboração da Universidade de Derby, no Reino Unido, mostrou ser eficaz no tratamento de jovens agressores com traços psicopáticos.

Apesar de se tratar de uma população com maior risco de persistência no crime, até ao momento não tinha sido desenvolvido nenhum tipo de intervenção que se ajustasse às especificidades deste grupo.

A psicopatia caracteriza-se por um conjunto de traços afetivos, interpessoais e comportamentais desviantes.

Ainda que envolto em alguma controvérsia, é um conceito-chave na área forense, associado às formas mais precoces, severas e estáveis de comportamento antissocial, motivo pelo qual é necessária a sua identificação e prevenção precoce.

No projeto, designado Psychopathy.comp – Modificabilidade dos traços psicopáticos em menores agressores, foi desenvolvida uma intervenção específica baseada em novos modelos de psicoterapia, cuja eficácia foi testada num ensaio clínico com 119 menores a cumprir medida tutelar educativa de internamento, em todos os Centros Educativos do Ministério da Justiça.

Liderado por Daniel Rijo, docente da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra (FPCEUC) e investigador do Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINEICC), o estudo envolveu ao longo das várias fases um total de mil jovens, com idades compreendidas entre os 14 e os 18 anos (400 agressores juvenis a cumprir medida tutelar educativa de internamento e 600 menores sem qualquer tipo de psicopatologia provenientes de escolas públicas).

O programa de intervenção traçado pela equipa consistiu em 20 sessões semanais de psicoterapia individual, estruturadas e manualizadas, realizadas durante seis meses por investigadores que são também psicoterapeutas creditados, e contou com a supervisão de Paul Gilbert, da Universidade de Derby, perito em Terapia Focada na Compaixão, o modelo seguido nesta intervenção.

Essencialmente, na intervenção é trabalhada a natureza da mente humana, de um ponto de vista evolucionário, «enfatizando que muitas das nossas respostas, comportamentos, emoções e pensamentos estão ligados a mentalidades sociais complexas, resultantes da arquitetura da mente humana. Muito do que pensamos, sentimos e da forma como reagimos aos acontecimentos não resulta de uma tomada de decisão consciente, mas pode ser o resultado de formas mais automáticas e arcaicas de reagir», descreve o coordenador do estudo.

No entanto, prossegue, «também devido às competências complexas do cérebro humano, somos capazes de adquirir controlo sobre esses modos de reagir mais arcaicos. A intervenção enfatiza muito a questão da responsabilidade sobre essas escolhas. Para além destes aspetos da natureza da mente, grande parte da intervenção é dedicada ao treino da mente compassiva como estratégia preferencial de aquisição de competências de regulação emocional e comportamental. Os participantes são treinados a desenvolver compaixão pelos outros, mas também por si próprios, como forma saudável e adaptativa de lidar com o sofrimento e com a adversidade da vida».

O resultado mais relevante do estudo, segundo Daniel Rijo, «está relacionado com o ensaio clínico, demonstrando que os traços psicopáticos são modificáveis na adolescência, mesmo em menores agressores em contacto com o sistema de justiça. Estes resultados apontam para a necessidade de fornecermos intervenções adequadas a estes sujeitos, com vista à modificação do comportamento criminal e à consequente redução do risco de persistência no crime após intervenção pelo sistema de justiça».

Os vários estudos realizados no âmbito do projeto Psychopathy.comp, que foi financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), «demonstraram também que este tipo de intervenção – terapia focada na compaixão – é adequada para esta população e para as instituições da justiça juvenil, uma vez que o ensaio clínico decorreu nos Centros Educativos», salienta o especialista da UC.

Estes resultados contribuem também para «a expansão de uma das mais promissoras terapias de terceira geração, aproximando as novas terapias aos contextos forenses», conclui.

Todos os resultados do Psychopathy.comp, desenvolvido ao longo dos últimos quatro anos, vão ser apresentados e discutidos no próximo dia 30 de setembro, durante o seminário final do projeto, que decorrerá online, entre as 10 e as 17 horas.

A participação é livre através do link:

https://videoconfcolibri.zoom.us/j/86172031665?pwd=OVhnRmhxNVhVVTczdWNPWHRZK1NxZz09 (ID da reunião: 861 7203 1665 e senha de acesso: 604035).

 

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: