10 C
Castelo Branco
Segunda-feira, Novembro 29, 2021
No menu items!
InícioRegionalConcerto de Bruno Pernadas marca arranque do programa Fôlego

Concerto de Bruno Pernadas marca arranque do programa Fôlego

27 de novembro na Sertã

No próximo dia 27 de novembro, a Casa da Cultura da Sertã vai ser palco do concerto de Bruno Pernadas que marcará o arranque do “Fôlego” – Programa de intervenção artística movido pelo combate às alterações climáticas em Sertã, Mação, Oleiros, Proença-a-Nova e Vila de Rei, que estará no terreno até ao verão de 2023.

Com início às 21 horas, o concerto conta com Bruno Pernadas na guitarra, teclado e sintetizadores, acompanhado por Margarida Campelo na voz, teclados e sintetizadores, João Correia na bateria, Nuno Lucas no baixo eléctrico, Afonso Cabral na guitarra, percussões e voz, e João Capinha nos saxofones (tenor, alto e soprano).

O concerto intitula-se “Private Reasons” assinala o regresso de Bruno Pernadas às edições depois de “How Can We Be Joyful in a World Fullof Knowledge” (2014) e “Those Who Throw Objects at The Crocodiles Will Be Asked to Retrieve Them” (2016).

O aguardado novo disco surge em 2021 depois de ter assinado recentemente a banda sonora do filme “Patrick” de Gonçalo Waddington e da série da Netflix “Glória”.

A entrada é gratuita mediante reserva antecipada de bilhete (máximo de três por pessoa) presencialmente na Casa da Cultura da Sertã, por telefone 274 600 326 ou pelo e-mail turismo@cm-serta.pt.

Levantamento de bilhetes a partir de 23 de novembro. Caso haja disponibilidade de bilhetes, poderão ser levantados até ao dia do espectáculo.

Bruno Pernadas é compositor, produtor e multi-instrumentista, e integra as bandas Real Combo Lisbonense e Montanhas Azuis.

Foi o primeiro português a produzir um disco de uma banda japonesa – “Massana Temples” de Kikagaku Moyo, tendo atuado em 2018 no conceituado Festival de Frue, no Japão, com a sua banda de nove elementos.

Em janeiro de 2022, representará a Antena 3 no festival Eurosoni na Holanda.

O concerto na Sertã marca a apresentação ao público do“Fôlego”, programa que aliará as artes, a ciência e o ambiente, trabalhando a problemática do clima em várias frentes – não apenas numa abordagem conceptual e artística, mas também pela sensibilização e envolvimento da comunidade em ações concretas no sentido da mitigação e adaptação aos efeitos da crise climática.

Privilegiando o envolvimento da comunidade local em torno de um futuro saudável e consciente, o FÔLEGO terá uma programação cruzada entre áreas artísticas: artes plásticas, dança, fotografia, música, novo-circo, novos media e teatro.

Terá como eixo principal a arte participativa e comunitária, em relação próxima com as populações, promovendo a mobilidade de públicos e artistas locais, nacionais e internacionais.

Selecionado para financiamento no quadro EEA Grants, Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu, o projeto é promovido pela Academia de Produtores Culturais, em parceria com Mapa das Ideias, H2Dance (Noruega), Universidade da Islândia, Associação Pinhal Maior e os cinco municípios – Mação, Oleiros, Proença-a-Nova, Sertã, Vila-de-Rei – atuando num esforço coordenado entre dezenas de instituições locais, nacionais e internacionais, de caráter governamental e não-governamental.

O nome FÔLEGO surge da associação do território ao fogo – mas também ao ar, necessário à combustão e à vida – e o programa convida à imersão no património natural por via das artes, apelando à mobilização local, nacional e internacional pela mitigação da crise climática.

Ao longo dos dois anos de implementação, o Fôlego terá uma presença forte e contínua, com diversas iniciativas. Alguns destaques de iniciativas previstas:

– “Ice &Fire”, intercâmbio de residências académicas/artísticas entre a Islândia e Portugal – gelo e fogo –que culminará na elaboração de um manual de Boas Práticas para o Clima entre os dois países;

– “Migrantes Climáticos”, projeto de criação sobre as memórias das populações migrantes no local pela companhia Teatro O Bando;

– “Planta Party”, série de eventos musicais nas praias fluviais que levarão à reflorestação de áreas ardidas;

– “Vilas Mutantes”, trabalho sobre as memórias, costumes e saberes da comunidade pela coreógrafa Alice Duarte e o músico Alexandre Moniz;

– “H2Dance” – um “festival do futuro”, com foco nos desafios climáticos preparado pela estrutura norueguesa H2Dance, envolvendo jovens e artistas locais profissionais;

– Fernando Mota criará instrumentos musicais a partir de galhos de árvores;

– Capicua apresentará o projeto Mão Verde.

O programa inclui também a atuação de artistas locais em concelhos vizinhos.

 

 

 

 

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: